Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/03/2006 20:11

Votação do processo de João P.Cunha é adiada.

Ãgência Brasil/Priscilla Mazenotti

A deputada Ângela Guadagnin (PT-SP) pediu vista do processo que recomenda a perda de mandato do ex-presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP). O relatório de Cézar Schirmer (PMDB-RS) foi apresentado hoje (7) ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. No documento, Schirmer afirma que a acusação contra João Paulo Cunha é incontestável e recomenda a cassação do mandato do parlamentar petista.

Em defesa do deputado, a única representante do PT no Conselho de Ética, Ângela Guadagnin (SP), afirmou que "não é crime solicitar recursos do partido e utilizar esses recursos para interesse do partido". João Paulo afirma que o dinheiro sacado foi usado para pagamento de pesquisas de opinião em Osasco, região metropolitana de São Paulo. "Não houve ilicitude na destinação dos recursos", afirmou Ângela.

Não é o que pensa o relator do processo. Na relação de omissões e ilicitudes atribuídas à João Paulo, Cézar Schirmer afirma que houve contato intenso entre Marcos Valério de Souza e o ex-presidente da Câmara, inclusive com a realização de reuniões de interesse privado.

Além disso, Schirmer entende que a origem e o destino dos R$ 50 mil eram espúrios. "Ao receber um dinheiro de uma das empresas de Marcos Valério posteriormente contratado pela Câmara dos Deputados, o representado não objetivou nenhum interesse público. Percebeu, sim, em proveito próprio, vantagem indevida no exercício de atividade parlamentar", diz no documento.

O deputado João Paulo Cunha havia pedido que seu caso fosse julgado rapidamente. Por isso, solicitou aos deputados que não pedissem vista do processo. Após a apresentação do voto do relator, no entanto, o deputado afirmou que os deputados não eram obrigados a não pedir vista e a deputada Ângela Guadagnin o fez.

"Eu estava muito indignada, muito magoada de não pedir vista. A idéia é pegar o relatório, todos os outros documentos que foram incorporados ao processo de instrução e fazer o voto em separado com mais substância do que a gente ficou de fazer realmente aqui. Quando ele falou "eu não obrigo niguém a pedir vistas", foi nesse momento que eu decidi pedir", disse a deputada.

Ela afirmou que o pedido de vista foi motivado por "fatos novos" trazidos pelo relator, mas não quis adiantar quais eram esses fatos. "Na quinta-feira eu apresento meu voto em separado", disse.




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)