Cassilândia, Segunda-feira, 28 de Maio de 2018

Últimas Notícias

08/12/2006 07:37

Vendedor de imóvel não responde a ação

STJ

Quem vende imóvel e não transfere a propriedade com registro de escritura pública em cartório não tem legitimidade passiva para responder a ação ajuizada por condomínio. O entendimento é da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao acolher o pedido de Oswaldo Siciliano contra o Condomínio Edifício Prédio São Vicente, em São Paulo.

No caso, o condomínio ajuizou ação de obrigação de fazer alegando que Siciliano, promitente vendedor de um apartamento, autorizou o ocupante do imóvel de sua propriedade a instalar toldo na sacada da unidade, diferenciando-a do padrão externo prédio. Segundo o condomínio, Siciliano foi notificado, mas não tomou qualquer providência. A sentença extinguiu o processo por ilegitimidade passiva, destacando o juiz do Direito de São Paulo que “a administração do prédio tinha ciência” de que o réu não mais possuía o imóvel, pois o tinha alienado a terceiros.

O Condomínio interpôs uma apelação da decisão, e seu pedido foi provido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Para os magistrados desse tribunal, a prova dos autos mostra que “o titular do imóvel é o apelado, pois que, com haver vendido a Pedro Paulo Madureira o bem em questão, o compromisso de compra e venda entre eles avindo não foi devidamente registrado no Registro de Imóveis. Há entre eles, portanto, mero direito pessoal, continuando a responder como proprietário o antigo condômino”.

Para o relator do caso no STJ, ministro Carlos Alberto Menezes Direito, dúvida não há sobre a operação de compra e venda do bem imóvel com a plena ciência do condomínio, que emitiu já cobrança de despesas condominiais em nome do promitente comprador.

Segundo o ministro, deve aplicar-se a mesma orientação que prevalece com relação às quotas condominiais, qual seja, a responsabilidade do promitente comprador, “se a ocupação a esse título da unidade imobiliária, é conhecida pelo condomínio, mesmo que a promessa de compra e venda não tenha sido registrada no ofício imobiliário”.

“De fato, se vendida a unidade que já se encontra na posse do promitente comprador, como fazer o promitente vendedor cumprir a eventual determinação de retirar o toldo impugnado. Melhor, portanto, a interpretação oferecida pelo juiz de primeiro grau, o qual acolheu a ilegitimidade passiva ad causam”, afirmou o relator.


Autor(a):Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)