Cassilândia, Sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Últimas Notícias

09/04/2019 09:10

Vaidade – irmã gêmea do poder

Manoel Afonso
Vaidade – irmã gêmea do poder

O CAMPEÃO Na avaliação do ex-deputado federal pelo PT Ben Hur Ferreira, dentre todos os nossos políticos desde a criação do nosso Estado , o ex-governador Pedro Pedrossian foi a figura mais emblemática, diferenciada, o líder que mais se destacou - com luz própria - que não dependia de partidos, padrinhos ou circunstâncias. Na criteriosa ótica de Ben Hur, Pedrossian deixou marcas reconhecidas pela sociedade em todo o Estado. O melhor, o maior sem dúvida, é a opinião geral!

ESTÍLO Cada político ao seu modo, com variações sujeitas a influências diversas. O Secretário de Saúde Geraldo Resende (PSDB) – suplente de deputado federal - por exemplo é conhecido por ser avesso a formalidades e protocolos nas suas relações. Para o pessoal da área da saúde, a ficha parece ainda não ter caído para Resende que continua agindo como se estivesse em pleno exercício do mandato parlamentar.

A PROPÓSITO: O velho ditado de que ‘o uso do cachimbo acaba entortando a boca’ se aplica à alguns ex-políticos e autoridades. No retorno ao ‘mundo real’ após o desfrute das benesses do ‘paraíso’, eles tem dificuldade de adaptação. Sem status, às vezes são vítimas da amnésia exigindo o direito de preferência - já prescrito para eles. Ufa! A exemplo dos remédios – o poder também tem prazo de validade.

A VAIDADE é irmã gêmea do poder. Um simpático morador que vira síndico pode mostrar sua outra face. É assim como o amigo no exercício de algum tipo de poder você perceberá a presença dos sinais da vaidade – ainda que ele use de subterfúgio para tentar escondê-la. A humildade ou a modéstia são disfarces. Ora! Poder sem vaidade não existe. Pesquise na história da humanidade, na Bíblia em ‘Eclesiastes – 1,2-3’.

AFIRMAÇÃO do escritor argentino Ernesto Sabato vem a calhar: “A vaidade se encontra nos lugares menos esperados; ao lado da bondade, da obrigação, da generosidade. Faz me rir esses senhores que falam da modéstia de Einsten: é fácil ser modesto quando se é célebre, quer dizer parecer modesto.” Aliás no filme ‘O advogado do Diabo’ fica a mensagem ao final: “A vaidade é meu pecado favorito”.

ENFIM... Na ausência da humildade no exercício de qualquer poder aparecem a arrogância e a vaidade como instrumentos da soberba. Aí inexistem limites, gerando a ambição desmedida e a falsa ideia de impunidade. Essas prisões de ex-governadores e ex-poderosos da política nacional e local são exemplos disso. Como bradava o personagem Sinhozinho Malta na novela Roque Santeiro: “Tô certo ou tô errado?”

PAÍS MARAVILHA Para o deputado Evander Vendramini (PP) há uma rede invisível na administração pública que inibe iniciativas de mudanças para melhor. Sobre a questão da fiscalização federal das barragens das mineradoras, pela Agencia Nacional de Mineração, o parlamentar lembrou da lei que protege os cartéis do transporte de passageiros. Tudo hermeticamente fechado. Alguém leva vantagem com as dificuldades representadas pelas leis reguladoras. É assim que funciona

IDÊNTICO é o mecanismo que envolve os critérios para cobrar e reajustar os valores da energia elétrica. Nesta semana na Assembleia Legislativa a bronca foi geral contra a Aneel, que além de não recuar na cobrança das contas altas, anunciou reajuste de 12,48%. Conversei com os deputados José Carlos Barbosa (DEM), Marçal Filho (PSDB), Capitão Contar (PSL), Lídio Lopes (Patriota), Antonio Vaz (PRB) e Lucas de Lima (SD) e notei que a indignação pela causa era unânime.

INTERROGAÇÃO Para qual direção os tucanos voarão após a derrota presidencial e a perda de grande parte da bancada no Congresso? Embora João Dória tenha vencido a eleição no Estado de São Paulo, é notório: ele não tem ligação efetiva com os caciques do PSDB. As declarações do ex-governador Alckmin após encontro com o presidente Bolsonaro (PSL) atestam: o partido está sem rumo.

SEM SEXO? Divididos no 2º turno presidencial de 2018, mais uma vez confirmou-se a tese irônica do ex-governador paulista Orestes Quercia (MDB), segundo a qual o “PSDB é um partido sem sexo”. O partido elegeu só 3 governadores, 29 deputados federais e 6 senadores em 2018. Com os escândalos envolvendo o deputado Aécio Neves (PSDB) e o ex-governador Beto Richa (PSDB) do Paraná, João Dória é a figura mais importante dentre os tucanos.

TUCANOS-MS Costura-se um acordo entre PSDB e PSD do prefeito Marcos Trad. O quadro ainda confuso mas sem riscos de motim. O governador Reinaldo (PSDB) tem sob sua batuta o ritmo do partido que vai mantendo boas relações com o MDB, DEM, PT e outras siglas com representação na Assembleia Legislativa presidida por um deputado do PSDB, Paulo Correa.

ELEIÇÕES municipais são diferentes das outras. O universo é menor e aí os seus personagens tem maior visibilidade e também estão mais expostos, positivamente ou negativamente aos olhos implacáveis da opinião pública. Aquelas praticas de antes como compra de votos ou ameaça ao eleitor estarão sob a mira das câmeras dos celulares. Um perigo!

CAPITAL Duas fases distintas: antes e depois da vitória de Alcides Bernal (PP). A vitória dele mostrou a insatisfação do continuísmo daquele grupo que mandava, mas seu fracasso administrativo mostrou que a emoção não pode influenciar o cérebro (razão) na escolha do administrador. Essa hecatombe vai funcionar como argumento contra os pretendentes neófitos, ainda que sob a bandeira da renovação ou salvadores da pátria. Se o presidente Bolsonaro (PSL) não for bem, será outro fator influenciador negativo.

FALA MANSA Quem estaria costurando o retorno ao cenário político é o ex-senador Delcídio do Amaral (PTC). Convidado pelo PTB do deputado estadual Neno Razuk, Delcídio poderia disputar a prefeitura da capital. Mas pelo visto já estaria havendo atropelamento da notícia. O PTC já reagiu! Pelo sim pelo não, a presença de Delcídio daria uma pitada de charme na campanha. Mas pergunto: qual é mesmo o grupo político do ex-senador? Sem grupo forte é difícil!

DR.ODILON Sem volta! Comprou o bilhete para Corumbá quando o destino do trem era Três Lagoas. Não conseguiu ser maior do que as contradições de seus companheiros de campanha e do próprio partido (PDT). Passado tanto tempo - não reapareceu em público para fazer uma análise política daquelas eleições. Simplesmente manteve-se encolhido num significado de rendição de sua luta. Tenho dúvidas de que seu filho, o vereador Odilon Jr. consiga reunificar o grupo e atrair mais gente de peso e voto.

NELSINHO Pode ser o grande eleitor das eleições de 2019, notadamente em Campo Grande. Sua influência no Governo e a agilidade que vem demonstrando na ocupação de espaços tem sido duas surpresas agradáveis em seu comportamento. O dedo do senador do PSD pode destravar verbas e projetos importantes para o Governo do Estado e capital. Diferentemente do PSL e MDB, ( das duas senadoras) o interesse político de Nelsinho se encaixa no projeto de seu partido com o PSDB de Azambuja. Certo?

TEMPOS DIFÍCEIS: Ex-assessor parlamentar não mediu palavras no saguão da Assembleia Legislativa referindo-se ao ambiente intestinal do MDB. Segundo ele pesariam as dificuldades na atração de novas lideranças devido as investigações policiais mirando emedebistas, dentre eles o ex-ministro Moreira Franco, o ex-governador Puccinelli e o ex-presidente Temer. Jogar a toalha e a ser apenas coadjuvante na sucessão da capital seria uma das hipóteses na mesa.

‘NOVOS TEMPOS’ A declaração emblemática é do ex-senador Romero Jucá – presidente do MDB – após o encontro com o presidente Bolsonaro (PSL) nesta quinta feira: “ É preciso construir uma nova modelagem na relação política. A antiga modelagem foi vencida pelas urnas”. Se o veterano político que serviu aos Governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e de Lula (PT) chegou a essa conclusão, é sinal de que o eleitor deve ser levado a sério daqui pra frente.

FOLCLÓRE Os vereadores Carlos Lacerda e Ivete Vargas travavam um bate boca no legislativo carioca quando ela disse que ‘Lacerda não passava de um purgante’. Ele, rápido de raciocínio rebateu: “ e vossa excelência é o efeito”. Outro episódio: Um deputado chama outro de “beócio”. O outro se defendeu com classe: “Se beócio for elogio, agradeço e retribuo, mas se for xingativo, beócio é a mãe de vossa excelência.”

A DÚVIDA transformada em pergunta. A propalada proibição do consumo do Narguile em ambientes públicos – pela Câmara Municipal de Campo Grande está no centro desta interessante polêmica. Mas com a capital ocupando uma extensa área territorial, como seria feita essa fiscalização nestes espaços públicos? Acho que a lei tem tudo para ser incluída no rol daquelas que ‘não pegam’.

O Brasil é realmente muito amplo e luxuoso. O serviço é que é péssimo. (Millôr Fernandes)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 29 de Maio de 2020
Quinta, 28 de Maio de 2020
20:48
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)