Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/07/2013 09:27

Traficante é condenado por tentativa de suborno a policiais

TJMS

Sentença do juízo da Vara Única da Comarca de Sete Quedas condenou o acusado R. da S. pelo crime de corrupção ativa cometido em dezembro de 2010. Na época, ele ofereceu ao delegado da Polícia Civil de Paranhos e a dois policiais militares o valor de R$ 4 mil, a fim de omitirem ato de ofício, ou seja, não investigarem possível crime de tráfico de drogas e a origem ilícita de R$ 9.650,00.

Na decisão, o juiz César de Souza Lima explicou que no crime de corrupção ativa “é necessário para sua configuração que tal oferta seja feita ao agente que possui poderes, condições de praticar, omitir ou retardar ato de ofício”, salientando que “basta a mera oferta ou proposta da vantagem indevida para sua tipificação e independe da aceitação ou não desta por parte do funcionário público”.

De acordo com os autos, o acusado, que confessou a prática do crime, foi abordado por policias com o montante de R$ 9.650,00 e, por não saber explicar a origem lícita do dinheiro, foi levado até a delegacia por suspeita de tráfico de drogas, onde acabou oferecendo R$ 4 mil, sendo R$ 2 mil ao delegado responsável e R$ 1 mil para cada um dos policias presentes.

Durante o interrogatório, R. da S. apresentou a versão de que o dinheiro que estava portando era proveniente de uma casa vendida por R$ 17 mil e que dessa casa comprou dois terrenos por R$ 10 mil reais; que pretendia comprar um veículo no Estado de Minas Gerais, de um vendedor que conheceu pelo MSN, mas não conseguiu fazer o negócio porque não tinha seus documentos, os quais foram furtados na cidade de Paranaíba.

Ao ser interrogado novamente sobre a origem do dinheiro, o acusado pediu para conversar com o delegado de polícia para "fazer algo que fosse bom para todos", como consta nos autos, que foi quando fez a proposta de pagamento aos servidores. O fato foi confirmado pelos depoimentos dos policiais.

O acusado acabou assumindo que teria transportado entorpecente para fora do Estado e que se fosse "ajeitada" a situação, ele dividiria o dinheiro com os policiais e o delegado, pois teria condições de arrumar mais dinheiro fazendo outras viagens.

“Pelos depoimentos e confissão do acusado resta demonstrado que o réu praticou o crime de corrupção ativa, ou seja, ofereceu aos policiais e ao delegado de polícia vantagem indevida com o intuito de não ser investigado e preso, portanto, omitir ato de ofício”, salientou o magistrado.

O delegado de polícia, além de confirmar também o oferecimento da vantagem indevida, também mencionou sobre a origem do dinheiro encontrado com R. da S., que era proveniente da entrega de haxixe feita em Minas Gerais.

“A versão do acusado em seu interrogatório em Juízo que o dinheiro é de atividade lícita e proveniente da venda de um imóvel não convence, certo que em fase policial o réu admitiu que o dinheiro era resultante de tráfico de drogas, mais precisamente de haxixe, feito por ele até a cidade de Teófilo Otoni em Minas Gerais. Portanto, o valor apreendido é resultante de atividade criminosa e ilícita praticada pelo acusado”, assentou o juiz.

O magistrado julgou procedente a denúncia para condenar o acusado pela infração ao artigo 333, caput, do Código Penal, ou seja, corrupção ativa. A pena privativa de liberdade foi substituída por duas restritivas de direitos. A primeira é para a prestação de serviços à comunidade por 8 horas semanais durante dois anos, em atividade conforme as aptidões do condenado. A segunda pena consiste no pagamento de R$ 2 mil, em 24 parcelas, sem prejuízo da pena de multa aplicada, a ser depositado em conta judicial com destino a projeto de entidade assistencial.

O juiz ainda decretou a perda do valor apreendido, R$ 9.650,00, por ser resultante de tráfico de drogas, com destino à CEAD/MS em convênio com a Funad.

 

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)