Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/10/2016 15:00

Terras devolutas da União poderão ter destinação econômica

Agência Câmara

 

A Câmara analisa projeto (PL 5843/16) que permite que as terras devolutas da União sejam destinadas pelos estados para ocupação urbana, atividades agropecuárias e extrativistas, e ações compatíveis com a política agrícola e de reforma agrária.

A proposta do deputado Lúcio Mosquini (PMDB-RO) estabelece que o Conselho de Segurança Nacional se manifeste sobre as terras devolutas declaradas pela União quando os estados manifestarem interesse em determinada área, inclusive as localizadas na faixa de fronteira.

As terras devolutas são bens da União, consideradas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e de construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental. As demais terras devolutas, de acordo com o texto constitucional, pertencem aos estados.

Segundo Mosquini, a indefinição sobre a propriedade da terra representa um obstáculo para o desenvolvimento social e econômico do País, pois inibe a realização de investimentos, prejudica a produção agropecuária e favorece a grilagem e a ocorrência de conflitos pela posse da terra. Ele defende que para acabar com essa situação se discriminem todas as terras consideradas devolutas.

“Acreditamos que, apesar de todas as terras localizadas na faixa de fronteira serem fundamentais para a defesa do território nacional, nem todas são indispensáveis à defesa das fronteiras. Quem deve dizer se são ou não indispensáveis é o Conselho de Segurança Nacional. Portanto, não vejo problemas em liberar terras devolutas na faixa de fronteira para que os estados possam destiná-las a programas sociais, econômicos ou ambientais”, afirmou o parlamentar.

O texto estabelece que pertencem aos estados as terras devolutas não declaradas pela União como indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, bem como aquelas já afetadas à ocupação urbana e às atividades agropecuárias e extrativistas. Pelo projeto, as terras necessárias à proteção dos ecossistemas naturais são indisponíveis.

Ocupação irregular

O projeto de Mosquini também regulariza ocupação de terra pública irregular de até quatro módulos fiscais. Para que a terra irregularmente ocupada seja regularizada, é preciso ser brasileiro nato ou naturalizado, não ser proprietário de imóvel rural e comprovar exercício de ocupação e exploração direta por dez anos, entre outros requisitos. A proposta também determina que os estados regularizem terras devolutas utilizadas para ocupação urbana e para as atividades agropecuárias e extrativistas localizadas em seu território.

De acordo com o texto, sempre que se apurar a inexistência de domínio particular em áreas rurais, estas devem ser arrecadadas por ato do órgão competente federal, se declaradas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, ou pelo órgão estadual competente se as terras forem do estado.

Tramitação

O projeto, que tramita de forma conclusiva, será analisado pelas comissões de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, inclusive quanto ao mérito.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

PL-5843/2016

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)