Cassilândia, Quinta-feira, 30 de Março de 2017

Últimas Notícias

08/01/2004 09:59

STJ mantém herança para filho adotivo

STJ

Quando a questão dos autos for de ordem constitucional, não é admissível invocar textos infra-constitucionais para solucioná-la. Esse é o entendimento da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ficou mantida decisão que deu a menor adotado antes da Constituição Federal de 1988 o direito à herança do pai adotivo.

A.N.M., divorciado e pai de três filhos, adotou um menino por meio de escritura pública em 4 de abril de 1983, mas faleceu em 12 de maio de 1988. Quando se procedeu a abertura do seu inventário, a inventariante requereu a exclusão do filho adotado com base no artigo 377 do antigo Código Civil, que determinava que, "quando o adotante tiver filhos legítimos, legitimados ou reconhecidos, a relação de adoção não envolve a de sucessão hereditária".

O juiz de primeira instância acatou o pedido. Para ele, a adoção , realizada sob a vigência da antiga Constituição, não tem efeito prático. Dessa forma decidiu que "o menor M.A.D.M. não é titular, portanto, de direitos hereditários, na sucessão de A.N.M." razão pela qual o excluiu do inventário.

A decisão foi contestada pelo filho adotivo, e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, valendo-se do artigo 227 da Constituição, reformou a sentença. Para o Tribunal mineiro, a nova Constituição assiste ao autor da ação, pois sua condição de filho adotivo não foi negada pelo apelado, que ao contrário, a reconhece em escritura pública de adoção. Segundo a Constituição, "os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por adoção, terão os mesmos direitos e qualificações, proibidas quaisquer designações discriminatórias a filiação".

O TJMG considerou que a clareza do texto constitucional já é suficiente para afastar a alegação de que o autor da ação não é herdeiro do falecido. E, se o princípio constitucional não se aplicasse no caso, o intérprete da norma estaria distinguindo onde a lei não distingue.

Inconformados com a decisão, os herdeiros recorreram ao STJ a fim de ver revogada a decisão anterior. Para tal, alegaram que a decisão da segunda instância negou vigência ao artigo 377 do Código Civil levando em consideração o artigo 277 da Constituição Federal. Dando, desta forma, efeito retroativo à nova norma constitucional.

No STJ, o ministro relator do processo, Ari Pargendler, não conheceu do recurso por ser a questão dos autos de ordem constitucional não cabendo recurso especial no STJ. Dessa forma, ficou mantida a decisão da Justiça mineira, garantindo ao filho adotivo o direito à herança.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 30 de Março de 2017
Quarta, 29 de Março de 2017
20:34
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)