Cassilândia, Domingo, 28 de Fevereiro de 2021

Últimas Notícias

05/04/2017 13:27

STF proíbe direito de greve de policiais e agentes de segurança no País

Richelieu de Carlo, Campo Grande News

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) definiu, durante sessão na manhã desta quarta-feira (5), ser inconstitucional o direito de greve para as carreiras policiais. Com esta decisão, ficam vetadas paralisações de policiais civis e servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança pública.

 

O novo entendimento atinge agentes da Polícia Federal, Polícia Civil, corpo de bombeiro militares, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Ferroviária federal. A greve já é proibida para policiais militares. Essas carreiras, no entanto, mantêm o direito de se associar a sindicatos.

Por 7 votos a 3, os ministros do Supremo entenderam que essas carreiras são essenciais para garantir a ordem pública e a segurança e que, portanto, nenhuma força policial tem direito a aderir ao movimento grevista. E que o direito fundamental da sociedade deve prevalecer ao direito individual do servidor.

A decisão tem repercussão geral reconhecida e serve para balizar julgamentos em todas as instâncias. O STF discutiu recurso da Procuradoria do Estado de Goiás questionando decisão do Tribunal de Justiça goiano, que declarou legítimo o exercício do direito de greve por parte dos policiais civis estaduais.

O Estado de Goiás argumentou que exercício do direito de greve ilimitado por policiais civis tem reflexos sociais, econômicos, jurídicos e políticos que ultrapassam os interesses subjetivos da causa.

No julgamento, prevaleceu o entendimento do ministro Alexandre de Moraes, que sustentou que estas carreiras têm um regime especial e não pode ser equiparada a outros servidores públicos, possuindo até um regime previdenciário e carga horária próprios.

“Não é possível que braço armado do Estado queira fazer greve. Ninguém obriga alguém a entrar no serviço público. Ninguém obriga a ficar. É o braço armado do Estado. E o Estado não faz greve. O Estado em greve é um Estado anárquico. A Constituição não permite”, argumentou Moraes, cujo voto contrariou a posição do relator da ação, Edson Fachin, favorável a restringir, mas não eliminar o direito de greve dos policiais.

Votaram para impedir o direito de greve pelas carreiras policias os ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e a presidente do Supremo, Cármen Lúcia.

Os ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Marco Aurélio Mello defenderam o direito de greve aos policiais civis, com limites impostos pela Justiça.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 28 de Fevereiro de 2021
Sábado, 27 de Fevereiro de 2021
Sexta, 26 de Fevereiro de 2021
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)