Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/07/2017 08:00

Sindicato não consegue mudança em edital de concurso mediante ação na Justiça

TST

 

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho manteve decisão que declarou a incompetência da Justiça do Trabalho para julgar ação na qual se pedia a inclusão de itens no edital do concurso do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP) para o cargo de técnico em radiologia. De acordo com os ministros, a retificação do edital tem natureza eminentemente administrativa, e o julgamento de demanda nesse sentido compete à Justiça Comum.

O Sindicato dos técnicos em radiologia de Ribeirão Preto (SP) apresentou ação civil pública contra o hospital para incluir no documento, relativo ao concurso de 2015, o direito à concessão de duas férias anuais de 20 dias e ao pagamento do salário-base e do adicional de insalubridade em grau máximo, equivalente a 40% do salário-mínimo.

O juízo de primeiro grau, no entanto, acatou tese da defesa pela incompetência da Justiça do Trabalho para analisar o caso. Conforme a sentença, somente após a aprovação e a convocação para assumir o cargo é que se poderia falar em relação de emprego, o que consequentemente atrairia a competência dessa Justiça Especializada. O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) teve igual entendimento. Com a manutenção da sentença, o Ministério Público recorreu ao TST.

Relatora do recurso de revista, a ministra Dora Maria da Costa reforçou que a discussão não trata de relação contratual preliminar ou de uma fase do concurso, de forma a atrair a competência da Justiça do Trabalho. Ela ressaltou que o objetivo do sindicato e do Ministério Público do Trabalho é a revisão de ato administrativo (edital) para adequá-lo à legislação vigente supostamente violada, “e, tendo em vista a natureza eminentemente administrativa da controvérsia, não há como afastar a competência da Justiça Comum para a apreciação da lide”, afirmou.

A ministra ainda apresentou precedentes do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça com igual compreensão, como os julgamentos do Recurso Extraordinário 967863 (STF) e do Recurso Especial 1100097 (STJ). De forma unânime, a Oitava Turma do TST conheceu do recurso de revista do Ministério Público por divergência jurisprudencial entre decisões regionais, mas, no mérito, negou-lhe provimento.

(Guilherme Santos/CF)

Processo: RR-11252-07.2015.5.15.0042

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)