Cassilândia, Sábado, 23 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

29/04/2011 16:38

Senadores criticam decisão do governo de cancelar restos a pagar de 2007 a 2009

Marcos Chagas, Agência Brasil

Brasília – A decisão do governo de cancelar os restos a pagar do Orçamento da União referentes ao período de 2007 a 2009, cuja soma pode chegar a R$ 10 bilhões, segundo o Ministério da Fazenda, repercutiu entre senadores da base e da oposição. O decreto com o cancelamento foi publicado hoje (29) no Diário Oficial da União.

Os restos a pagar são recursos orçamentários autorizados pelo governo em um ano em que deveriam ser gastos nos exercícios seguintes, caso os fornecedores tivessem executado o serviço.

O presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO), que representa o maior partido entre os aliados do governo, afirmou à Agência Brasil que muitas obras não são executadas nos municípios por causa da burocracia governamental.

“Essa burocracia do Executivo é infernal. A Caixa Econômica, por exemplo, tem criado problemas para o início dessas obras. Por causa dessa burocracia e do excesso de fiscalização, tem obras por todo o país que não foram licitadas, outras licitadas e não iniciadas e até maquinário comprado com dinheiro das prefeituras parados há um ano porque o governo não paga as emendas”, reclamou Raupp.

Para o peemedebista, o cancelamento de restos a pagar que envolvem emendas parlamentares representa “um misto” de incompetência dos prefeitos na elaboração dos projetos e no processo de licitação, com a dificuldade burocrática imposta pelo próprio governo. No caso dos recursos orçamentários de 2009, o Executivo prorrogou por mais dois meses – 30 de junho – para que as obras sejam iniciadas, ao contrário também poderão ser extintos.

O presidente do DEM, José Agripino Maia (RN), qualificou o decreto presidencial de “anúncio de um calote oficial”. Segundo ele, o governo federal criou uma expectativa nos municípios e estados e, agora, cancela os recursos para a execução das obras.

Para ele, o pior é que o prefeito, o governador e os parlamentares que anunciaram à população que a obra seria feita, agora não têm como se explicar. “O governo transfere o ônus político para quem tem o direito institucional [parlamentares e prefeitos] de reivindicar os recursos aos seus estados e municípios”.

O líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR), seguiu o mesmo tom do colega de oposição. Para ele, a decisão de cancelar recursos orçamentários, enquadrados na rubrica restos a pagar do período de 2007 a 2009, demonstra desorganização administrativa e falta de planejamento por parte dos integrantes do Executivo. “Eles adotam uma postura de irresponsabilidade na gestão. Fazem o espetáculo do anúncio e geram uma grande frustração na população quando não cumprem seus compromissos”.

O líder do PT, Humberto Costa (PE), não pensa como seus colegas de Senado. Para ele, o decreto é uma sinalização do governo de que não haverá uma quebra de continuidade nas obras iniciadas em municípios que já compraram equipamentos com recursos próprios. Ele acrescentou que, com a decisão de ampliar para 30 de junho o prazo para que obras com recursos do Orçamento de 2009 sejam iniciadas, “quebrou-se uma insegurança que havia” entre prefeitos, governadores e parlamentares.

“O decreto criará um clima de segurança para que estados e municípios que já empenharam seus recursos possam dar início às obras até junho”, afirmou o petista. Para ele, o governo “marcou um gol de placa”, com a decisão.

Pelo Decreto 7.468, os restos a pagar de 2007, 2008 e 2009, de obras e serviços, podem ser mantidos normalmente desde que iniciados até amanhã (30). Fora desse prazo, eles serão cancelados. O governo, com o decreto, permitiu também os restos a pagar de 2009 para obras em estados, municípios e no Distrito Federal, previstas em convênio com órgãos federais se essas obras forem iniciadas até 30 de junho deste ano.

Edição: Lana Cristina

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 23 de Setembro de 2017
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)