Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/05/2008 18:07

PRFs recebiam no mínimo R$ 1 mil por dia em propinas

Aline Queiroz e Nadyenka Castro/Campo Grande News

Policiais rodoviários federais envolvidos no esquema de extração ilegal de madeira, desarticulado hoje, recebiam de R$ 1 mil a R$ 1,5 mil em propinas por dia. Todos eram lotados no posto da BR-157 em Paranaíba, município distante 410 quilômetros de Campo Grande, por onde os carregamentos eram escoados.

Ao todo, cinco policiais foram presos e oito indiciados. Além dos policiais, foram presos: um servidor do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis) de Três Lagoas, um do Imasul (Instituto Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e outro da Agenfa (Agência Fazendária) de Paranaíba.Todos foram descobertos durante a operação “Diamante Negro”, deflagrada esta manhã em quatro Estados: Mato Grosso do Sul, Maranhão, Minas Gerais e São Paulo.

Durante os trabalhos, 24 pessoas foram presas, 20 em Mato Grosso do Sul, duas em São Paulo, uma em Minas Gerais e uma no Maranhão. Na operação, 65 pessoas foram investigadas, 34 tiveram prisão temporária decretada e até a tarde desta terça-feira 24 já haviam sido presas.

O esquema - Os envolvidos no esquema extraiam madeira na maioria das vezes irregularmente, transformavam em carvão e falsificavam documentos para o transporte das cargas, que eram enviadas a siderúrgicas de Minas Gerais. Os proprietários das empresas também serão investigados.

As investigações apontaram ainda que os envolvidos no esquema também conseguiam adulterar o peso que constava no DOF (Documento de Origem Florestal). A cidade de Paraíba foi escolhida como ponto estratégico devido à facilidade encontrada na corrupção dos policiais.

Segundo a polícia, os donos das empresas responsáveis pela extração ilegal de madeira criavam empresas em nome de laranjas e, após contraírem dívidas milionárias com a Receita Federal, abriam outros estabelecimentos.

PRF - O superintendente da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Walter Favaro, afirma que a instituição começou a apurar o envolvimento dos policiais há dois anos e meio. Denúncias indicavam o esquema, fato que motivou a investigação.
O posto de Paranaíba contava com 17 policiais, dos quais 13 foram afastados. Para garantir a manutenção das atividades, outros policiais foram enviados ao local. Não foi apontada ligação dos chefes do posto no esquema.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)