Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/07/2016 17:01

PM podia ter atirado, mas não para matar marido, acredita promotor

Anahi Zurutuza, Campo Grande News

Embora tenha concordado com a soltura da tenente-coronel da Polícia Militar, Itamara Romeiro Nogueira, 40, o MPE (Ministério Público Estadual) pediu que a liberdade dela seja vigiada, uma vez que há a possibilidade da servidora ter premeditado o assassinato do marido supostamente infiel, o major Valdeni Lopes Nogueira, 47. Para a Promotoria, a PM tinha condições de atirar apenas para imobilizar o homem, durante a discussão.

O promotor Gerson Eduardo Araujo contesta a versão de Itamara. A defesa dela alegou no pedido de liberdade que a militar atirou no marido para se defender durante uma discussão. Mas, Araujo ressalta que a tenente-coronel é uma PM experiente e poderia ter atirado apenas uma vez caso a intenção realmente fosse de se proteger.

“É forçoso reconhecer, ao menos hipoteticamente, que a requente poderia, por ocasião dos fatos, ter efetuado apenas um disparo de arma de fogo contra a vítima (e não dois)”, argumenta o promotor, destacando ainda que os disparos poderiam ter sido feitos em direção a regiões menos vitais do corpo do marido.

“Não se pode olvidar que a requerente, que é integrante da Polícia Militar e ostenta a alta patente de tenente-coronel, possui técnicas de defesa pessoal e facilidade no manuseio de arma de fogo”, continua a argumentação.

O promotor levanta a hipóteses de Itamara ter planejado matar o companheiro para se vingar de traições descobertas. “As circunstâncias do caso concreto permitem a ilação de que a requerente, impelida pelo sentimento de ódio, premeditou o crime de homicídio para se vingar das relações extraconjugais que a vítima manteve durante a convivência do casal”.

Contudo, Araujo destaca ainda que é necessário ouvir familiares e testemunhas, além de esperar os resultados da perícia feita no local do crime e do exame de corpo de delito feito em Itamara para que se chegue a uma conclusão sobre o que aconteceu na tarde de de terça-feira (12).

Liberdade – Como Itamara é ré primária, possui profissão definida e residência fixa, além de não ter demonstrado a intenção de fugir, o promotor deu parecer favorável a soltura dela, sob algumas condições.

O pedido da revogação da prisão preventiva foi deferido pelo juiz Alexandre Tsuyoshi Ito hoje (19) e a policial pode ser solta a qualquer momento.

A Justiça determinou, entretanto, que ela não se ausente da cidade e que compareça em juízo trimestralmente.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)