Cassilândia, Sábado, 24 de Junho de 2017

Últimas Notícias

10/12/2004 06:09

Pesquisadora critica ONGS; devem se re-politizar

Agência Notisa

Segundo a antropóloga gaúcha, Daniela Knauth, ONGs desenvolvem trabalhos muito localizados e específicos e não atingem o cidadão comum. Problema estaria, principalmente no vínculo com o Estado e na não sustentabilidade das mesmas.


Após 1983, quando foram tomadas as primeiras ações de vigilância do HIV/Aids no Brasil, houve diminuição da mortalidade e aumento da sobrevida. Entretanto, foi somente a partir da segunda metade da década de 90 que o panorama da doença no Brasil sofreu realmente mudanças: se, por um lado, a epidemia passou a atingir mais os pobres, por outro, os anti-retrovirais foram largamente disponibilizados e a difusão de informações ajudou a desmistificar a doença. Entretanto, paralelamente, houve, segundo Daniela Riva Knauth, a despolitização do debate. “Não há vínculo com a idéia de vulnerabilidade social. As reivindicações de direitos são direcionadas às redes sociais de apoio e não às instituições responsáveis”, criticou a pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), durante o 14º Seminário do Programa Franco-Brasileiro de Aids, que está sendo realizado no Rio de Janeiro.



Na opinião da cientista, as ONGs vêm ganhando cada vez mais espaço no combate ao HIV/Aids, entretanto ainda é o Estado que tem maior penetração junto à população. “São os serviços públicos de saúde que têm maior participação no cotidiano das pessoas. A maior parte das ONGs desenvolve trabalhos ou muito específicos ou muito localizados, atingindo, assim, poucos cidadãos ‘comuns’”, afirmou Knauth, referindo-se à realidade do Rio Grande do Sul. Segundo ela, os principais problemas enfrentados pelas organizações não-governamentais são a despolitização — “em parte fruto de seu forte vínculo com o Estado”— e a concorrência por financiamento, em função de sua não sustentabilidade.



Daniela Knauth criticou, ainda, as atividades desenvolvidas pelas ONGs em geral, que se restringiriam “a atividades, basicamente, assistenciais”. A pesquisadora gaúcha citou como exemplo as oficinas de geração de renda, nas quais os portadores do HIV/Aids aprendem algum ofício, como artesanato em geral, os programas de combate à carência (falta de moradia, fome etc) e a pouca articulação entre os projetos desenvolvidos e os serviços de saúde. “Esses elementos revelam a pauperização da epidemia e reforçam a despolitização das ONGs”, afirmou.



A pesquisadora criticou também a pouca penetração nos contextos locais (periferia), desassistidos tanto pelo poder público quanto pela sociedade civil organizada. Knauth defendeu a promoção de políticas que fortaleçam as redes sociais de apoio, mas que, paralelamente, resgatem o aspecto político do combate ao HIV/Aids. “Devemos transformar as demandas e as situações de discriminação (do portador do HIV/Aids) em questões de Direitos Humanos”, defendeu.



Nota da redação: a Agência não ouviu representantes de ONGs presentes, o que deverá ser tentado amanhã, na continuação da cobertura do seminário.



Agência Notisa (jornalismo Científico - science Journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 24 de Junho de 2017
Sexta, 23 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)