Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/01/2014 18:35

Peso argentino tem queda de 12%

Monica Yanakiew , Agência Brasil

Pelo segundo dia consecutivo, o peso argentino sofreu uma forte desvalorização. No câmbio oficial, o dólar chegou a ser vendido nesta quinta-feira (23) a oito pesos (12% mais caro que na véspera). Somente em janeiro, a moeda argentina perdeu 22,7% de seu valor. Foi a maior desvalorização registrada em um mês, desde março de 2002, quando o país saía da pior crise de sua recente história.

“Não foi uma desvalorização induzida pelo Estado”, disse o chefe de Gabinete da Presidência da Argentina, Jorge Capitanich. Em entrevista coletiva, ele explicou que a Argentina optou por um sistema cambial de “flutuação administrada”, mas que na quarta-feira (22) o Banco Central “não comprou nem vendeu dólares”. Segundo ele, o aumento do dólar oficial foi determinado pelo “livre mercado”.

O Banco Central tem feito intervenções no mercado desde janeiro de 2002, quando a Argentina saiu da chamada “convertibilidade” – um sistema que atrelou o peso argentino ao dólar norte-americano por lei durante uma década. O regime acabou com a hiperinflação de 1989 e 1990, privatizou a economia e abriu o pais a investimentos estrangeiros – mas também levou à recessão e ao desemprego, que acabaram provocando uma revolta popular e a queda do então presidente Fernando de La Rua.

Como consequência da crise, a Argentina desvalorizou o peso e decretou moratória da dívida externa. Graças ao aumento dos preços das commodities, que o país exporta, os argentinos conseguiram se recuperar da crise sem ajuda de organismos internacionais; reestruturar 93% da dívida pública e ainda pagaram o que deviam ao Fundo Monetário Internacional (FMI), sem ter que se submeter a planos de ajuste.

Para ter acesso a novos empréstimos, a Argentina ainda precisa regularizar a sua situação com os 19 países do Clube de Paris e com algumas empresas estrangeiras – entre elas a petrolífera espanhola Repsol, sócia majoritária da YPF, cujas ações foram expropriadas pelo governo argentino.

O dólar, na Argentina, serve como um termômetro da economia. Para escapar da inflação (que oficialmente é 10% mas, que, de acordo com economistas do setor privado e sindicalistas, é pelo menos duas vezes maior), os argentinos se refugiaram no dólar.

Para frear a saída da divisa norte-americana, faz dois anos que o governo vem adotando medidas de controle de câmbio: proibiu a compra de dólares e saques com cartão de débito no exterior; colocou um imposto sobre compras com cartão de crédito no exterior e, na quarta-feira (22), limites para as compras com cartão em sites estrangeiros, via internet. O resultado foi a consolidação do mercado negro, chamado de “blue”. Na quinta-feira, o dólar paralelo estava sendo cotizado a 12 pesos.

Nos últimos dois anos, as reservas do Banco Central caíram de US$ 60 bilhões para US$ 29,44 bilhões. Mas o principal motivo foi a necessidade de usar o dinheiro para importar energia e pagar a dívida. O país registrou em 2013 um superávit na balança comercial de US$ 9 bilhões, informou nesta quinta-feira (22) o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec) – US$ 3 bilhões a menos que em 2012 e gastou cerca de US$ 14 bilhões importando energia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)