Cassilândia, Sábado, 20 de Outubro de 2018

Últimas Notícias

22/04/2014 16:08

Patrões temem depredação com greve que pode ter adesão de 20 mil

Campo Grande News

A greve dos trabalhadores da construção civil, prevista para ser deflagrada nesta quarta-feira (23) na Capital, pode ter a adesão de cerca de 20 mil operários, conforme previsão do Sintracom CG (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande). O sindicato patronal teme depredações nos canteiros.

São cerca de 30 mil homens atuando em aproximadamente 400 obras na Capital, segundo dados da entidade.

A paralisação deve afetar obras públicas e privadas, entre elas estão a construção do Aquário do Pantanal e as obras das construtoras Plaenge, MRV, PDG e Brooksfield.

No ano passado, segundo o presidente do Sintracom, José Abelha Neto, pelo menos 15 mil homens deixaram os canteiros de obras. “Neste ano, esperamos uma adesão ainda maior já que eles estão mais conscientes”.

Já o Sinduscon (Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Mato Grosso do Sul), garante que a quantidade de trabalhadores que vai aderir à greve será bem menor que o esperado pela categoria.

“A maioria não adere”, disse Amarildo Miranda Melo, presidente do sindicato.

A paralisação preocupa o Sinduscon. A coação de operários que não aderirem ao movimento e a depredação de patrimônios são os pontos mais relevantes para a entidade.

“A nossa preocupação é a ordem. Estamos preocupados com trabalhadores que não vão aderir à greve e podem ser impedidos de trabalhar. Outra questão é a depredação de patrimônios como tem acontecido no cenário nacional”.

Em cidades do norte e nordeste, a greve gerou confusão e quebra-quebra recentemente, além de prejuízos.

Ainda de acordo com o sindicato, trabalhadores não formularam uma contraproposta depois de receberem oferta de 5,39% e negarem o valor. A categoria havia pedido 30% de aumento.

“Enviamos uma oferta, mas não houve uma contraproposta, e simplesmente pretendem deflagrar a greve”, comenta Amarildo.

Mesmo ressaltando a legitimidade do movimento, ele explica que o aumento precisa ser coerente com o cenário do setor. “Queremos, pelo menos, recuperar a perda salarial do ano passado”, disse se referindo aos quase 6% de aumento proposto.

Mas a categoria reclama e afirma que a intenção é conseguir o ganho real, acima da inflação e que o valor oferecido não cobre nem mesmo o índice inflacionário. Abelha explicou que o salário pago na cidade é o menor do país.

Porém, Amarildo rebate a informação. “Não procede. E, além disso, um metro quadrado aqui vale de R$ 4 mil a 5 mil.Em São Paulo chega a R$ 14 ou R$ 15 mil. Existem diferenças que precisam ser respeitadas. Mas o salário aqui não é o menor”.

Conforme Abelha, em outros estados os profissionais da construção civil, recebem até 30% a mais. Por isso, há 70 dias, o sindicato apresentou proposta de 30% de reajuste para quem recebe o piso e 15% para quem ganha acima.

“Eles (o setor patronal) não deram bola e só agora apareceram com 5,39%, uma miséria de reajuste”, comentou José Abelha.

A greve foi decidida em assembleia-geral, na noite de quarta-feira.

Justificando a oferta, o presidente da entidade patronal diz que o cenário atual do setor é de “cautela”, não só na Capital. “Ano de Copa do Mundo e de eleições Em um cenário desses ninguém vai ficar lançando empreendimentos. Isso desestabilizou o setor. A retração será inevitável”.

Amarildo garante que a preocupação maior é com a ordem. "Já comunicamos, inclusive, a segurança pública", finaliza.

Em nota, o Sinduscon afirma que está aberto às negociações e "que respeita o direito da Constituição de Manifestação".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 20 de Outubro de 2018
Sexta, 19 de Outubro de 2018
09:00
Santo do Dia
04:16
Cassilândia
Quinta, 18 de Outubro de 2018
11:00
Mundo Fitness
09:00
Santo do Dia
Quarta, 17 de Outubro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)