Cassilândia, Sábado, 19 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

27/03/2006 22:42

Para governo e oposição, política econômica será a mesma

Agência Câmara

Deputados da base do governo e da oposição disseram que nada vai mudar com a indicação de Guido Mantega para o Ministério da Fazenda. A demissão do ex-ministro Antonio Palocci não foi vista com surpresa pelos parlamentares.
O líder do PFL, deputado Rodrigo Maia (RJ), disse que a indicação de Guido Mantega vai servir apenas para "tapar o buraco" até o final da gestão petista. Ele não espera novidades com Guido Mantega à frente da economia. "Mantega é um ministro em banho-maria. Foi ministro do Planejamento e nada aconteceu - nada de importante e de relevante. Foi presidente do BNDES de forma igual: tudo muito lento, muito devagar, tudo como se o governo estivesse esperando o tempo passar. E agora, no Ministério da Fazenda, a mesma coisa. O mercado financeiro e os banqueiros vetaram o senador Aloizio Mercadante e se escolheu um ministro com esse perfil, um homem que vai levar o ministério em banho-maria até acabar o governo este ano, se Deus quiser, por uma mudança na política econômica", disse ele.

Sem mudanças
O deputado Maurício Rands (PT-PE) disse que não haverá mudanças na área econômica. "Eu penso que o afastamento do ministro Palocci, ainda que definitivo, não vai colocar em risco a solidez da economia brasileira. Os fundamentos da política cambial, da política de juros e no equilíbrio fiscal estão já confirmando que a economia brasileira não vai sofrer abalos com a substituição de uma pessoa, porque o ministro Guido Mantega está indicado para o cargo e vai manter essas diretrizes".

Correções de rumo
O presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (PE), também acha que nada vai mudar na política econômica. "A entrada de qualquer um para substituí-lo não vai mudar grande coisa na política. Só algumas correções de rumo, mas não dos fundamentos. Nós vamos ter a mesma política e, infelizmente, o Brasil vai continuar sendo o paraíso financeiro que é e a república dos banqueiros. Não creio que haja nenhuma mudança e isso só podemos esperar quando mudarmos o governo."

Embates
O deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA) afirmou no Plenário que esta semana deverá trazer fortes embates entre governo e oposição. Em primeiro lugar, ele destacou a necessidade de que a apuração do episódio da quebra do sigilo do caseiro Francenildo Costa não se limite às demissões.
"Estive em diversas cidades do interior baiano, e a revolta dos cidadãos brasileiros é algo digno de registro histórico. Todos estão se colocando no lugar do caseiro, que foi vítima de uma agressão injustificável por parte do governo", afirmou.

Degenerescência
O deputado Ivan Valente (Psol-SP) classificou o suposto envolvimento de Palocci na quebra do sigilo do caseiro e seu afastamento do cargo, como uma "degenerescência política". Na avaliação do deputado, "depois da luta dos militantes do PT para mudar a política, houve uma degeneração programática e partidária, com uma opção ideológica pelo neoliberalismo".

Responsabilidade
Para o deputado Osório Adriano (PFL-DF), apesar do "proveitoso trabalho na área econômica", o ex-ministro Antonio Palocci já deveria ter saído há muito tempo. "As finanças, a não ser a alta taxação de juros e outros pequenos problemas, estão sendo conduzidas no caminho certo, mas não podemos aceitar os acontecimentos das últimas semanas", afirmou.
Para o deputado, é preciso lembrar da responsabilidade de um ministro da Fazenda. Osório Adriano disse ainda que é necessário que o próprio presidente da República deixe de defender aqueles que cometem erros.

Defesa
O deputado Luiz Couto (PT-PB) defendeu o governo das críticas feitas pela oposição e declarou que o novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, vai continuar a política econômica desenvolvida durante a gestão de Palocci. "Sabemos que o ministro que entra continuará exercendo a política de geração de emprego, do desenvolvimento, do investimento em obras sociais. Será a política que fará do Brasil um País decente", afirmou.

Caixa
O deputado Vicente Chelotti (PMDB-DF) disse que toda a diretoria da Caixa Econômica Federal, posta sob suspeita depois da quebra ilegal de sigilo do caseiro Francenildo Costa, deveria pedir demissão, para preservar sua credibilidade. O deputado lembrou que, ao ser instalada a CPMI dos Correios, o governo trocou toda sua direção, mantendo a instituição afastada do escândalo, que permanece como a mais confiável, segundo informou o parlamentar.

Da Reportagem
Edição – Wilson Silveira


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 19 de Agosto de 2017
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)