Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/04/2009 11:04

OAB condena liminar que liberou grampo por atacado em MS

Aline dos Santos, Campo Grande News

O tribunal de Justiça de São Paulo derrubou, na última quinta-feira, a decisão liminar do juiz Robledo Mattos de Moraes, de São José do Rio Preto, que permitia a quebra do sigilo telefônico em Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, além do Distrito Federal. No Estado, há 2,2 milhões de celulares e 469 mil telefones fixos instalados.

“A interceptação telefônica é um meio de prova muito invasivo, não pode ser decretada por atacado”, explica o presidente da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), Fábio Trad, ao condenar o uso indiscriminado desta modalidade de investigação.

Segundo ele, o sigilo telefônico só pode ser quebrado mediante pedido específico e fundamentado. “Se não for assim, está sendo praticado outro crime e abuso de autoridade”, salienta.

Conforme a revista Consultor Jurídico, o tribunal entendeu que a liminar do juiz era ilegal, portanto não devia ser cumprida. O TJ de São Paulo concedeu habeas corpus preventivo para a gerente da Brasil Telecom, Andréia da Silva Frotta, que se negou a cumprir ordem judicial para quebrar o sigilo telefônico de todos os usuários da companhia em 139 municípios do interior paulista, além dos clientes de outros cinco estados e do Distrito Federal.

O decreto do juiz Robledo Mattos de Moraes atendia a pedido do delegado Guerino Solfa Neto, da Unidade de Inteligência Policial do Deinter-5 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), de São José do Rio Preto, e do Ministério Público que investigavam a atuação de organizações criminosas e o tráfico de drogas.

O tribunal considerou a ordem judicial genérica e com prazo que viola a norma que autoriza interceptações telefônicas. A Lei 9.296/96 estabelece 15 dias para as escutas, com uma renovação por igual período. Para o tribunal, o uso dos grampos na forma como foi estabelecido pela justiça de primeiro grau era uma devassa à privacidade.

“Esse caso é emblemático, pois retrata o abuso que impera hoje na nação de, sem justificativa, bisbilhotar a vida das pessoas”, afirmou o desembargador Penteado Navarro. “A Justiça não pode permitir que se instale no país um estado policial em nome da defesa do Estado”, completou o presidente da 9ª Câmara Criminal, desembargador Souza Nery.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)