Cassilândia, Terça-feira, 30 de Maio de 2017

Últimas Notícias

05/08/2005 07:40

O resumo do depoimento de Roberto Jeferson na CPMI

Agência Câmara

Em depoimento de mais de 14 horas à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Compra de Votos, o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) apontou nesta quinta-feira como "uma fraude" os empréstimos feitos pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza para beneficiar o PT. Ele argumentou que, quando um banco não recebe o valor de um empréstimo, esse montante é lançado no balanço anual da instituição como perda financeira e deixa de ser pago no Imposto de Renda. A ausência desse procedimento, segundo Jefferson, mostra que os empréstimos foram feitos para "esquentar" dinheiro, já que a dívida bancária não seria paga.
Apesar de inocentar o presidente Lula de participação no esquema do "mensalão", Jefferson disse que o presidente pode ter sido induzido a erro pelo ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. "O presidente Lula é meio parecido comigo: ele mata no peito os amigos, não os abandona no meio do caminho", afirmou, ao apontar no governo federal a origem da corrupção que se estende ao Congresso.

Planalto sabia
Questionado pelo deputado José Rocha (PFL-BA) sobre quem no Planalto sabia do esquema de "mensalão", Jefferson reafirmou que José Dirceu, a quem Lula teria delegado a chefia do governo para exercer a do Estado, era o comandante do esquema. Segundo ele, o então ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Luiz Gushiken também sabia do pagamento de mesada a parlamentares, assim como outros então ministros (alguns já deixaram os cargos) alertados por Jefferson: Walfrido dos Mares Guias (Turismo), Ciro Gomes (Integração Nacional), Antonio Palocci (Fazenda), Miro Teixeira (Comunicações) e Aldo Rebelo (Coordenação Política).
"Ao presidente Lula eu daria um cheque em branco, retribuindo a confiança que ele depositou em mim, mas não faria o mesmo com José Dirceu", disse Jefferson, ao elogiar o fato de que Lula não está poupando ninguém nem impedindo as investigações das comissões de inquérito.
Para o deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), é difícil acreditar que o presidente Lula de nada sabia. "A quem serve comprar votos em favor de projetos de interesse de governo se não ao presidente da República?", questionou o parlamentar na reunião da CPMI.

Onde está o dinheiro
Em seu depoimento, Jefferson se contradisse sobre o destino dos R$ 4 milhões que teria recebido do PT para financiar a campanha municipal do PTB no ano passado. Primeiro, ele disse que distribuiu os recursos a candidatos cujos nomes não iria revelar, já que eles teriam recebido a verba pensando tratar-se de doação. Em outro momento, admitiu que não transferiu o dinheiro aos petebistas.
Questionado pelo relator da CPMI, deputado Ibrahim Abi-Ackel (PP-MG), Jefferson contou que, quando percebeu que os recursos poderiam ser provenientes do caixa 2 do PT, pediu ao então tesoureiro informal do PTB, Emerson Palmieri, que guardasse o valor em um cofre e entregasse a chave a ele. Assim, ele assumiria o dinheiro como pessoa física "para não comprometer o partido".
Ao dizer que não distribuiu o dinheiro do PT aos candidatos do PTB, Jefferson favoreceu quatro deputados de seu partido que foram acusados pelo PL, em representações enviadas à Mesa da Câmara, de terem se beneficiado dos recursos irregulares: Sandro Matos (RJ), Neuton Lima (SP), Alex Canziani (PR) e Joaquim Francisco (PE).

Banco do Brasil
O ex-presidente do PTB afirmou ainda que, quando recebeu o dinheiro do PT, as notas estavam dispostas em duas malas, sendo que 40% delas vinham marcadas com etiquetas do Banco Rural e 60%, com fitas do Banco do Brasil (BB). Ele sugeriu que o Controle de Atividades Financeiras (Coaf) encaminhe à CPMI a documentação das contas do BB, pois acredita que o dinheiro não vem do fundo partidário do PT. "As CPIs têm de investigar detalhadamente os documentos, que contêm muitas informações duvidosas que precisam ser confirmadas".
Diante da declaração, a direção do Banco do Brasil enviou nota à CPMI, lida pelo vice-presidente Paulo Pimenta (PT-RS), esclarecendo que, como cabe ao BB abastecer toda a rede bancária, o fato de o dinheiro movimentado por outros bancos terem a fita com o carimbo do BB não significa que as notas saíram de contas daquela instituição.

Campanhas do PTB
Em resposta ao deputado Luiz Couto (PT-PB), Jefferson admitiu que recebeu dinheiro não-contabilizado para campanhas eleitorais durante todos os anos em que atua como deputado - ou seja, desde 1982. Mas alertou para o fato de que esse tipo de artifício é usado por todos os partidos, pois os empresários preferem fazer contribuições não registradas para evitar possíveis exposições na mídia. "Quando surge um escândalo, a primeira lista a surgir é a das empresas que contribuíram", afirmou o depoente, para quem o ex-líder do PT Paulo Rocha (PA) teria usado o mesmo recurso.
Jefferson disse ainda que, embora os partidos aceitem financiamento não-contabilizado para sobreviver politicamente, essa prática representa o afrouxamento moral da classe política.

Jefferson diz que denúncia do ‘mensalão’ irritou Dirceu

O deputado fluminense reafirmou que seu desentendimento com José Dirceu começou quando ele começou a falar dentro do governo sobre o esquema do "mensalão", do qual teria tomado conhecimento por meio do então tesoureiro do PT Delúbio Soares. Delúbio teria revelado a Jefferson que pagava a mesada aos deputados José Janene (PP-PR), Pedro Henry (PP-MT), Carlos Rodrigues (PL-RJ) e Valdemar Costa Neto (PL-SP) – o último renunciou ao mandato.
Foi naquele momento, segundo Jefferson, que o então ministro-chefe da Casa Civil teria mandado investigar irregularidades nos Correios atribuídas a pessoas indicadas pelo PTB. “Foi aí que o Zé Dirceu botou fogo na história do Marinho contra mim", disse, referindo-se à gravação que mostra o ex-chefe do Departamento de Contratação e Administração de Material dos Correios Maurício Marinho recebendo propina.
Jefferson disse que decidiu denunciar publicamente o "mensalão" quando percebeu que o seu partido seria acusado pelo governo de corrupção nos Correios, no Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) e na Eletronorte. Ele teria reagido telefonando para o então ministro José Dirceu (PT-SP) para que ele impedisse as denúncias. Diante da "falta de atitude" de Dirceu, resolveu revelar o esquema. "Ele estava no aeroporto, embarcando para a Espanha, quando eu disse: 'Quando você voltar, a notícia será outra'".

Jefferson explica porque não denunciou ‘mensalão’ antes

O deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) disse, que não denunciou antes o chamado “mensalão” porque preferiu esgotar todas as possibilidades de negociação dentro do governo, ao alertar vários ministros para a existência do esquema. Ele disse que o papel de denunciante não lhe agrada. “Em CPIs anteriores, todos se lembram que eu sempre defendi os acusados”.
A declaração foi feita em resposta à deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), que chamou a atenção para os saques mensais atribuídos ao PTB na lista entregue à Polícia Federal pelo empresário Marcos Valério Fernandes, suposto operador do “mensalão”. Ela disse que, se o esquema de fato existe, o partido de Jefferson também está envolvido.
O depoente afirmou que só responde pelos saques realizados pelo PTB durante sua gestão na presidência do partido, e lembrou já ter confessado o recebimento de R$ 4 milhões do PT. Mais uma vez, Jefferson recusou-se a revelar o destino desses recursos, limitando-se a afirmar que não os repassou para outros deputados federais.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 30 de Maio de 2017
Segunda, 29 de Maio de 2017
10:00
Receita do Dia
Domingo, 28 de Maio de 2017
Sábado, 27 de Maio de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)