Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/05/2004 16:29

Novo casamento de víuva não impede receber benefício

TJ/MS

A 3ª Turma Cível, em sessão realizada nesta segunda-feira (24), negou provimento à Apelação nº 2003.09575-6, interposta pela Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil – Previ, contra a sentença que reconheceu o direito de S.A.V.G. de continuar recebendo o benefício pago pela Apelante mesmo tendo contraído novo matrimônio.
A decisão foi unânime.
Os Desembargadores sustentaram que mesmo tendo contraído novo matrimônio, se a beneficiária não comprovar melhoria em sua situação financeira, tem direito a continuar recebendo o benefício previdenciário. Nesse caso, não pode prevalecer a defesa da Apelante, de que a Apelada estava ciente de que o seu casamento implicaria na extinção do benefício, tendo assinado um termo de responsabilidade.
Ressaltaram ainda que a Apelante é órgão da previdência privada e o contrato feito pelas partes é de âmbito privado e, assim, regido pelo Código de Defesa do Consumidor, que proíbe cláusulas abusivas e determina que a interpretação deve ser sempre favorável ao consumidor.
Segundo os Desembargadores, o estatuto da Apelante contraria a Constituição Federal, pois dispõe que o beneficiário tem cancelado o seu benefício se contrair novo casamento, mas isso não ocorre se viver em união estável, sendo que a CF reconheceu a união estável como entidade familiar. Assim, a solução deve ser dada com a aplicação do princípio da interpretação mais favorável ao consumidor, pois considerando que o beneficiário, se estivesse em união estável, não perderia o benefício, e a CF reconhecido a união estável como entidade familiar, aliado ao fato de que não houve melhoria em sua situação financeira, a Apelada tem direito ao benefício, ainda que tenha contraído novas núpcias. Fatos: S.A.V.G. ajuizou Ação de Cobrança contra a Caixa de Previdência dos funcionários do Banco do Brasil – PREVI, pretendendo o restabelecimento de concessão de benefício previdenciário. Alegou que seu marido era funcionário do Banco do Brasil e fez um contrato de previdência privada para complemento de futura aposentadoria, e em caso de falecimento deixaria uma pensão não inferior a um salário mínimo e parcelas individuais a seus filhos, em valor não inferior a 20% do salário mínimo. Alegou que com o falecimento do marido, passou a receber o benefício do INSS e o complemento da Apelada. Em julho de 1981, quando se casou novamente, o INSS e a Apelante cancelaram o benefício. O INSS, posteriormente, reverteu o cancelamento, o mesmo não ocorrendo com a Apelante, que continuou negando o benefício sob o fundamento do novo casamento.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)