Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

11/02/2004 14:17

Nilson Naves defende a súmula vinculante

Deuza Lopes/STJ

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Nilson Naves, reafirmou hoje (11), em entrevista coletiva, que defende a adoção da súmula vinculante para o STJ e para o Tribunal Superior do Trabalho (TST) considerando o instrumento menos importante para o Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Nilson Naves a súmula ajudaria muito o STJ principalmente nos processos de direito público e evitaria o congestionamento do tribunal em causas repetidas a exemplo do que ocorreu com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Somente no ano passado mais de 100 mil processos sobre o assunto chegaram ao Tribunal.

O presidente do STJ reitera que a proposta de controle externo é um abuso e a criação de um conselho composto de pessoas estranhas ao Poder Judiciário significa que este "perderá a fisionomia de conselho e terá a imagem e o rosto de um outro Poder". E acrescentou " Porquê o Judiciário é o patinho feio? Porque controle só para o Judiciário?", indaga.

Nilson Naves sustenta que reforma nenhuma irá resolver todos os problemas do Judiciário, mas defende a aprovação dos pontos de consenso já discutidos na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Alerta, no entanto, que enquanto permanecer no Brasil a relação de um juiz para 25 mil habitantes o Judiciário continuará a enfrentar acusações de morosidade. "Temos lugares no País que um juiz possui 20 mil processos para decidir, e isso é muito preocupante", afirma.

O ministro esclarece que o STJ sempre participou da reforma apresentando propostas. Há três anos presidiu uma comissão do Tribunal e deste trabalho resultou um documento encaminhado ao Congresso Nacional com 28 propostas.

Principais pontos da entrevista:

Súmula vinculante

Nilson Naves destaca que a importância maior da súmula vinculante é para o STJ e para a justiça trabalhista, e não para o STF como vêm defendo o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, porque se não for dessa forma, tanto o STJ como o TST correm o risco do STF adotar a súmula em matérias da competência dos dois tribunais. "E aí vamos atingir a independência do próprio STJ", afirma.

O ministro esclarece que também não vê a possibilidade de engessamento da justiça nas instâncias inferiores como afirmou o ministro da Justiça, esclarecendo que na proposta encaminhada pelo Tribunal, há três anos, previa que a súmula não seria estática. O dispositivo criando a súmula vinculante para o STJ prevê alterações ou até o cancelamento da súmula a partir de proposição feita pelo magistrado. O ministro não que crê que a súmula limite o trabalho do magistrado.

A súmula ajudaria muito nas matérias de repetição de feitos. No ano passado o Tribunal recebeu mais de 100 mil processos somente sobre FGTS. E existe a informação de que mais de 200 mil processos estão para subir para chegar ao Superior. "Se tivéssemos este instituto esses processos não chegariam aqui, e talvez nem ao tribunal de segundo grau".

O ministro ressalta que a súmula não deve ser temida pois o dispositivo que prevê a sua criação já estabelece a revisão e o próprio cancelamento do instrumento. Nilson Naves acredita na utilização da súmula vinculante com parcimônia pelo Judiciário.

Controle externo

Nilson Naves defende a criação de um conselho composto exclusivamente de membros da magistratura com a seguinte composição: um ministro do STF (presidente), um ministro do STJ (corregedor), um ministro do TST, um ministro do STM, um juiz federal e dois desembargadores estaduais.

Ao criticar a proposta do controle externo o ministro reclama que "o Judiciário é sempre o patinho feio". "Então nós precisaríamos que ter um conselho para controlar o Legislativo, um outro para controlar o Executivo, e um outro poder para controlar outras instituições da República e um controlador para fiscalizar os controladores", analisa.

Ao ser indagado sobre a atuação e agilidade do conselho composto somente de magistrados o ministro esclareceu que não se preocupa com a demora de um ou dois anos para julgar um processo, exemplificando um caso na França que levou quase 15 anos para julgar um criminoso de guerra.

Demissão de juízes

O ministro disse que é favorável que o conselho tenha o poder de demitir o juiz, e o magistrado teria o direito a recorrer ao STF contra o ato do conselho.

Quarentena

Nilson Naves defende a quarentena para os juízes, mas desde que esta preencha o requisito da razoabilidade e este prazo seria de um ano. O magistrado ficaria impedido de exercer a advocacia no tribunal onde atuou, e poderia trabalhar nos demais tribunais, pois não pode haver o impedimento do exercício da profissão. O ministro cita que no Executivo, especificamente no Banco Central, a quarentena é de 6 meses, e no Legislativo nem há.

Mas o ministro considera estranho que tal medida seja adotada somente para o Poder Judiciário e que a proposta do Senado Federal tenha elevado para três anos a quarentena para os juízes modificando a sugestão da Câmara dos Deputados.

Purificação dos sistemas

A definição das competências do STJ e do STF também foi defendida pelo ministro que considera que o Tribunal está sendo transformado em um tribunal de passagem. O fato ocorre notadamente no habeas-corpus, que atualmente passa por quatro instâncias até a decisão. E o habeas-corpus está sendo utilizado pelo STF para reforma a matéria infraconstitucional julgada nos recursos especiais.

Tal definição, segundo o ministro, reduziria a quantidade de processos no STF e daria um outro status ao Superior Tribunal de Justiça. Proposta para solucionar essa questão foi apresentada pelo Tribunal ao Congresso, e o ministro acredita que a solução seria a criação da Corte constitucional.

Número de processos

É preocupante o número de processos recebidos no STJ que em 2003 chegou a mais de 230 mil. O defende que ao STJ chegue apenas as causas de repercussão, e hoje não é o que ocorre , qualquer causa chega e tem de ser analisada pelos ministros, atrasando julgamentos importantes para a sociedade.

Nilson Naves disse que o STJ tem a proposta de dar interpretação em tese da lei num incidente de competência para evitar que diversos juízes dêem liminares sobre o mesmo assunto em vários pontos do País, a exemplo do que ocorreu recentemente com as tarifas telefônicas ou mesmo em relação às liminares sobre a revista de cidadãos norte-americanos nos aeroportos brasileiros.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)