Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/10/2004 14:39

Negar-se a fazer teste de DNA, pode ensejar paternidade

Irene Lôbo /ABr

O homem que se negar a fazer o exame de paternidade baseado no DNA poderá ter presumida a paternidade. A orientação vale para os recursos a serem julgados no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que nesta segunda-feira (18) aprovou a Súmula 301 tratando do assunto. O instrumento serve como orientação que os demais tribunais podem ou não seguir, mas que será adotado no STJ.

A decisão se baseou em sete julgamentos realizados anteriormente nos estados do Amazonas, Distrito Federal, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Um dos exemplos que serviram de referência para a elaboração da súmula foi um recurso especial do Amazonas.

Durante quatro anos, o pai de I. C. P se recusou por dez vezes a fazer o teste de DNA. Diante da recusa do Tribunal de Justiça do Amazonas em aceitar as provas apresentadas pelo menor sem o teste de DNA, I.C.P entrou com recurso no STJ. A interpretação do órgão foi de que a recusa em fazer o teste de paternidade aliada à comprovação do relacionamento sexual do suposto pai com a mãe do menor gera a “presunção de veracidade”.

A orientação também vale para as mães que impedem que os pais façam o teste de DNA e assumam a paternidade de uma criança. Por mais incomum que pareça, foi exatamente o que aconteceu com o comerciante Paulo Corrêa, de 26 anos. Após um relacionamento breve, ele ficou sabendo que poderia ser pai de uma menina, hoje com dois anos. A mãe não admitiu o fato e se recusou a conceder material genético da criança para a realização de um exame de paternidade.

Inconformado com a recusa, Paulo procurou o cartório e registrou a criança em seu nome. O comerciante também entrou na justiça com um pedido de visita. “Eu queria fazer o teste de DNA, mas a mãe da minha filha se recusava e também não dizia quem era o pai. Por causa disso, demorei um ano, sete meses e seis dias para ver a minha filha”, conta. Por imposição da Justiça, foi realizado recentemente o teste de DNA que comprovou a paternidade de Paulo.

Casos como esse poderiam ser agilizados caso a Súmula 301 fosse aplicada. É o que pensa o presidente do STJ, ministro Edson Vidigal. “É levar na prática o popular 'quem não deve, não teme'. Se se recusa, alguma razão há. A súmula apenas confirmou as decisões anteriores de que, no caso de se furtar a submissão do exame do DNA, que é a prova científica e aceitável pelo Judiciário, o processo corre sobre a presunção que as alegações levadas na petição judicial são procedentes”, afirmou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)