Cassilândia, Sábado, 06 de Março de 2021

Últimas Notícias

29/12/2020 13:00

Municípios poderão pagar até 30% do valor de contratos de transporte escolar

Lei estadual foi regulamentada pelo governo

Midiamax
Municípios poderão pagar até 30% do valor de contratos de transporte escolar

As prefeituras dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul deverão observar eventuais impactos financeiros ao efetuar o pagamento mínimo do valor dos contratos de transporte escolar, como prevê lei estadual em vigor desde novembro.

A resolução da SED (Secretaria de Estado de Educação) foi publicada na edição desta terça-feira (29) do DOE (Diário Oficial Eletrônico). A normativa foi sancionada a fim de manter os termos com as empresas durante a pandemia de Covid-19.

Cabe aos gestores municipais decidir se usam ou não recursos oriundos de repasses do PTE-MS (Programa de Transporte Escolar) para antecipar o pagamento mínimo.

Este pagamento pode ser de três formas. A primeira é de até 30% da média dos últimos três meses do ano letivo de 2019. A segunda é 30% do valor mensal previsto em contrato assinado após licitação. E a última é o valor do custo fixo de operação, que deverá ser comprovado pela empresa.

Para isso, as prefeituras deverão analisar os impactos orçamentários e financeiros e comunicar a SED. Em último caso, a administração municipal pode romper com o contrato, mas não pode usar recursos do programa para pagar eventuais indenizações.

Os prestadores dos serviços de transporte escolar rural deverão, obrigatoriamente, emitir nota fiscal. O governo publicará os repasses no Portal da Transparência.

Histórico
A lei estadual prevê que empresas atingidas pela crise da pandemia podem receber o valor mínimo dos contratos para manter suas atividades. Os pagamentos ficam limitados apenas ao “custeio da manutenção da mobilização dos contratos administrativos”, o que significa que será considerado como custo aquilo devidamente comprovado pela empresa.

 

Será ofertado até 30% do valor, considerando para o cálculo os 20 dias letivos de aulas presenciais ocorridas em 2020. O Estado ainda pode optar por pagar valor arbitrado independente da comprovação.

O projeto foi apresentado pelo deputado estadual Marcio Fernandes (MDB), sendo aprovado em primeira e segunda discussões no fim de outubro.

Na justificativa, o emedebista apontou que os empresários acumulam prejuízos durante a pandemia. Segundo o SIEMTE/MS (Sindicato das Empresas de Transporte Escolar de Mato Grosso do Sul), são 200 empresas afetadas, que empregam três mil pessoas.

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 06 de Março de 2021
Sexta, 05 de Março de 2021
13:00
Penso Logo Produzo
Quinta, 04 de Março de 2021
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)