Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/12/2015 17:22

Mulheres vítimas de violência na Capital terão direito a salário mínimo

Correio do Estado

As mulheres que forem vítimas de violência doméstica e passarem por atendimento na Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande, poderão agora ganhar ajuda de um salário mínimo e entrar em cursos profissionalizantes para buscar independência financeira.

Essa medida passa a ser aplicada neste final de ano, depois que a prefeitura da Capital, secretarias nacional e municipal de Políticas para as Mulheres e Fundação Social do Trabalho (Funsat) assinaram termo de convênio com validade de seis meses. O ato ocorreu na sexta-feira (18), com a presença da secretária nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres, Aparecida Gonçalves, e o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP).

As vítimas serão incluídas no Programa de Inclusão Profissional para garantir o benefício e uma das 50 vagas no curso de profissionalização. Quem entrar nesse projeto também terá direito à bolsa alimentação e vale transporte.

A secretária nacional de enfrentamento esteve pela primeira vez na Casa da Mulher Brasileira de Campo Grande e afirmou que para as denúncias serem realizadas, a mulher precisa se sentir segura em termos psicológico e financeiro. "Dar os meios de autonomia à mulher é um grande desafio que começa a ser implementado", disse, via assessoria de imprensa.

Leyde Alves Pedroso, titular da pasta municipal de políticas para as mulheres, reconheceu que é preciso fortalecer o lado econômico para evitar que mais vítimas sejam subjugadas. "Elas serão acolhidas e terão o direito de independência econômica", opinou.

INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO
Para tentar estimular que as vítimas de violência consigam ter um próprio negócio e não dependam do agressor ou de auxílios do governo, quem realizar o curso de capacitação terá direito a buscar microcrédito para iniciar um próprio negócio.

Essa política foi anunciada pelo diretor da Funsat, Aldo Donizete, durante o evento de assinatura do termo de cooperação realizado na sexta-feira (18), na Casa da Mulher Brasileira.
"Com a autonomia ela se libera das garras do agressor e retoma sua vida com dignidade", defendeu Donizete.

CONSTATAÇÃO
Acostumada a atender diversas ocorrências desse tipo de violência, a defensora pública Graziela Ocariz confirmou que muitas mulheres tem uma dependência econômica grande do agressor. Somado a isso, vem o medo de que os filhos não consigam ser sustentados se houver denúncia e a fonte de renda secar.

"Um dos motivos que a mulher agredida demora tanto para tomar a iniciativa de buscar ajuda está na dependência econômica a que está submetida. Esse apoio é importante para que ela consiga um serviço, um lugar no mercado de trabalho", analisou.

NÚMEROS ALTOS
Em entrevista ao Portal Correio do Estado em novembro, o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Silvio Maluf, afirmou que metade das ocorrências de agressões registradass nos finais de semana em Mato Grosso do Sul são relacionadas à violência contra a mulher.

"Aos finais de semana, 50% das nossas ocorrências são de violência contra mulher. É impressionante!"

Com mais de 63 mil casos registrados no disque 180, o Brasil teve crescimento de 40% no número de denúncias de violência contra a mulher entre janeiro e outubro de 2015, se comparado ao mesmo período do ano anterior. Esses dados são da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)