Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

07/03/2008 15:32

Mulheres somam 68% da força de trabalho no Judiciário

O trabalho da mulher, que há pouco tempo resumia-se aos afazeres domésticos, conquistou o mercado de trabalho. Hoje o Poder Judiciário Estadual tem 68% de seu quadro de servidores composto por mulheres.

Apesar da dura realidade do mercado de trabalho, elas chegaram lá. Nas secretarias do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul é fácil observar mulheres ocupando cargos de chefia. Somente como diretoras de Secretaria existem seis, e mais uma, a Dra. Maria Elena Selli Rizkallah, como a Diretora Geral de todas essas secretarias. Ela conta que chegar nesse cargo não foi fácil, e teve que passar por inúmeros percalços pelo fato de ser mulher e ter que provar, em vários momentos, a qualidade do seu trabalho.

Essa participação na força de trabalho vem da valorização das características femininas, principalmente em modelos administrativos, que acabam com a hierarquia verticalizada e procuram profissionais cooperativos. A Diretora da Secretaria de Gestão de Pessoal, Zelma Araújo Teixeira Munhoz, é um exemplo, porque administra todo o setor funcional desse Poder. Ela resume que a mulher é mais dedicada no trabalho.

Mas seja qual for o setor, o esforço feminino é inevitável, pois não é fácil ser mulher, em um mercado com raízes machistas. Exige-se mais força de vontade para encarar os desafios, conquistar espaço e atingir a realização pessoal.

As servidoras que são mães no Judiciário Estadual somam 907, e assim como milhares de mulheres que dividem o tempo do trabalho com os cuidados e educação dos filhos, a chefe do cartório da 1ª Turma Cível, Andréa Fava Santos, mãe da Marina (5) e do Miguel (1), divide o seu tempo entre a rotina do trabalho, os afazeres da casa e a dedicação aos filhos e ao marido. “Embora não seja fácil, é satisfatório”, resume a servidora, lembrando que já sofreu preconceitos pelo fato de ser mulher ao iniciar no mercado de trabalho aos 19 anos, mas acredita que todas devem seguir seus objetivos profissionais e não fazer das dificuldades, desculpas.

As mulheres também somam 46 em todo o Judiciário Estadual. Tânia Garcia de Freitas Borges e Marilza Lúcia Fortes fazem parte desse time no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul; elas ostentam o status de serem as únicas desembargadoras entre os homens no órgão.

Tânia Garcia assumiu a promotoria de Porto Murtinho, ainda na década de 80, quando o acesso à cidade era difícil devido à estrada de chão. Assim, como as outras trabalhadoras, ela é mãe, avó, esposa e uma profissional de muita garra e dinamismo para enfrentar os desafios do dia-a-dia. Ela teve filho enquanto cursava a faculdade, e perdeu o primeiro esposo ainda com os filhos pequenos.

De acordo com a desembargadora, o mercado é muito competitivo, mas se a mulher se preparar nunca será discriminada. Já Marilza Lúcia Fortes está na magistratura desde 1980, e conta que quando começou a atuar na advocacia sofreu preconceito pelo fato de ser uma das primeiras mulheres a atuar no ramo. “A mulher que trabalha fora é a grande guerreira do dia-a-dia”, conclui.

Da mesma forma, a juíza da 3ª Vara da Fazenda Pública de Campo Grande, Maria Isabel do Matos Rocha, lembra que enfrentou inúmeras dificuldades e, quando ainda advogava, tinha que levar a filha mais velha para o trabalho.

A primeira desembargadora do Estado foi Dagma Paulino dos Reis, aposentada em 1995. Ela começou na advocacia em 1969, e em 1974 tornou-se a 1ª juíza do Estado. Ela diz que nessa época precisou esperar a promoção por antiguidade, pois se fosse por merecimento,“só para os homens”, afirma.




Assessoria de Comunicação - Tribunal de Justiça

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Agosto de 2017
Quarta, 23 de Agosto de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 22 de Agosto de 2017
21:03
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)