Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/08/2011 07:23

MS: Rêmolo Letteriello fala sobre ação reivindicatória em curso da Ejud

TJMS
Cassilândia NewsCassilândia News

A segunda palestra desta sexta-feira (5) do 2º Curso de Aperfeiçoamento de Magistrados e do 2º Congresso Estadual de Direito Civil e Processo Civil, promovido pela Escola Judicial de Mato Grosso do Sul (Ejud) foi proferida pela desembargador federal do TRF 3ª Região, Fausto de Sanctis, que trouxe o tema “Alienação Antecipada”.

O judiciário precisa equiparar as pessoas que estão desiguais, afirmou o expositor, lembrando que os juízes desempenham este importante papel de personificação do Direito. Ele comentou que o Brasil fala muito em democracia, no entanto não atinge a todos os brasileiros e demonstra uma total inércia para atender a população mais distante dos centros de poder.

O palestrante falou que em um caso de uma fazenda de um traficante ele conseguiu inovar e fazer a venda antecipada da propriedade do traficante por meio de leilão eletrônico. Esta e outras decisões inéditas de bens de lavagem de dinheiro foram feitas por de Sanctis e que levaram a sociedade a pensar que se tratava de uma iniciativa que beneficiava a população, pois os recursos provenientes do crime eram redirecionados para instituições de caridade.

Fausto de Sanctis falou, por outro lado, dos casos em que a alienação antecipada não é permitida pelo magistrado e que muitos bens, como carros de luxo, acabam se deteriorando e trazendo enorme prejuízo. Por esta razão, destacou o palestrante, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou recentemente que seja feita a alienação antecipada de bens para evitar que ocorram situações nesse sentido.

Em seguida, foi dada a palavra ao presidente da mesa, juiz Aldo Ferreira da Silva Junior, que agradeceu a presença do desembargador federal afirmando que o magistrado trouxe uma exposição de mudança de mentalidade.

No começo da tarde o advogado e Tabelião de São Paulo, Izaias Ferro Júnior, trouxe o tema “O Registro Imobiliário Brasileiro – Segurança Jurídica e Novas Perspectivas”. O palestrante explicou que no país cada Estado normatiza a atividade notarial e de registro por meio de suas Corregedorias.

O expositor tratou dos dois sistemas, um primeiro em que a pessoa está no centro do sistema (fólio pessoal) e o segundo no qual o bem está no centro (fólio real). Inicialmente, informou, a prática era relatar o que as pessoas possuíam e com o passar do tempo ficou inviável controlar o registro pelas pessoas e passou-se a adotar o fólio real, vigente até os dias atuais.

Na sequência, foi dada a palavra ao desembargador do TJMS Rêmolo Letteriello que apresentou a palestra “Ação Reivindicatória e a propriedade no ordenamento jurídico brasileiro\\\", trazendo num primeiro momento o significado de reivindicatória que é a reclamação judicial da coisa.

Um aspecto polêmico exposto foi o prazo para o estabelecimento da ação. Salientou que o atual Código Civil estabeleceu o prazo de 10 anos quando a lei não especificar prazo menor. O desembargador afirmou que diverge deste entendimento defendendo que a ação é imprescritível.

Outra questão polêmica abordada foi a reivindicação de condômino, ou seja, de área em condomínio a qual muitos julgam incabível. Letteriello sustentou que o condômino pode sim reivindicar de terceiro e quando uma reivindicação for parcial, deve o autor demonstrar que parcela da totalidade da propriedade que lhe pertence.

Rêmolo Letteriello falou também que há diversos entendimentos no sentido de que as ações reivindicatórias que se enquadram no perfil dos juizados especiais, ou seja, causas de até 40 salários mínimos, devam ser ajuizadas nos juizados, no entanto o magistrado discorda do posicionamento e acredita que a ação reivindicatória pode ser proposta tanto na justiça comum como nos juizados especiais, cabendo a livre escolha do autor.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)