Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/04/2009 17:48

Médico fala sobre a doença de minstra Dilma Rousseff

Pedro Peduzzi , Agência Brasil

Brasília - Para os hematologistas, médicos especialistas em tratar tumores no sistema linfático, o tipo de câncer que atinge a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, é uma doença relativamente comum e, em geral, tem incidência similar entre homens e mulheres.

“O linfoma é um câncer que tem origem na célula de defesa do sangue, chamada linfócito. Ela está presente em todo o sistema sangüíneo. Em decorrência de alterações genéticas, pode provocar tumor em determinadas regiões corpo, formando o linfoma”, explicou à Agência Brasil o professor de hematologia da Universidade de Brasília (UnB), Rafael Jácomo.

Segundo ele, as principais áreas de manifestação são o pescoço e a área interna do tórax, próximo ao pulmão e ao coração. “Mas não é a localização que define o tipo de linfoma, mas as características de diferenciação e as genéticas. Há mais de 40 tipos de linfoma, e eles podem atingir qualquer parte do corpo. Desde os ossos até mesmo o cérebro.”

O linfócito é uma das células responsáveis pela defesa do organismo. Nasce na medula óssea, como uma célula jovem, e durante o amadurecimento adquire, em função do tipo, características diversas. O professor disse que há dois tipos principais de linfócitos: o tipo B, responsável por formar os anticorpos, e o tipo T, que estimula outras células de defesa do organismo. “Nesses casos, o risco está entre 30% e 60%, mas a margem pode ser mais ampla, dependendo do caso.”

Há também a chamada doença de Hodgkin, de prognóstico muito positivo, com chances de cura superiores a 80%. “É o tipo mais simples da doença”, assinalou Jácomo.

O tratamento varia em função do tipo de linfoma. “Há inclusive tipos de linfomas que têm um comportamento pouco agressivo e sequer requerem tratamento. Nesses casos, o indicado é apenas fazer um acompanhamento”, informa o hematologista.

“Mas a maior parte requer tratamento quimioterápico, em geral com a combinação de duas ou mais medicações. Para os tipos mais comuns o tratamento é feito em seis a oito ciclos, realizados em intervalos que variam entre 15 e 21 dias”, completa.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)