Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/05/2005 07:39

MEC descarta validação automática de diplomas

Juliana Andrade/ABr

O secretário-executivo do Ministério da Educação, Fernando Haddad, descartou nesta quinta-feira (5) a possibilidade de adoção, no Brasil, da chamada validação automática de diploma de profissionais que se formaram em outros países. "A validação automática é impossível no sistema atual. Só é possível em países que têm um grau de integração como os da União Européia que hoje, só depois de terem uma moeda única e de estarem criando até uma Constituição comum, é que estão pensando em normatizar os parâmetros curriculares para que um diploma de Portugal possa valer na Espanha, por exemplo, e vice-e-versa", avaliou Haddad.

O secretário-executivo participou de reunião sobre o tema, na Comissão de Educação e Cultura da Câmara. Para Haddad, no caso de brasileiros que tiveram diploma expedido no exterior, uma saída seria a aplicação de um exame nacional quando eles retornassem ao Brasil. "O que é possível aqui é criar um expediente adicional ao que a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) prevê, que é a validação de diploma única e exclusivamente com a chancela de uma universidade pública. Está-se pensando, eventualmente, num exame nacional que possa ser aplicado para um número cada vez maior de estudantes que fazem os seus estudos fora do país e que, de maneira desburocratizada e com menor custo, mas sem perda de qualidade, possam ter os seus estudos reconhecidos".

Só em Cuba, cerca de 600 estudantes brasileiros freqüentam cursos de Medicina, segundo a Associação de Pais e Amigos dos Estudantes Brasileiros em Cuba. De acordo com o presidente da associação, Hélio Capagnucio, algumas universidades cubanas oferecem bolsas de estudo integrais que cobrem inclusive despesas de alojamento e de alimentação para estudantes carentes brasileiros. "A Medicina em Cuba é de excelência e, mais do que isso, de eficiência. Tanto é que Cuba hoje ostenta indicadores sociais na área de saúde que poucos países de primeiro mundo têm, então, é nesse ambiente de completa atenção à saúde que se formam os médicos brasileiros".

Para Capagnucio, a aplicação de um exame único não seria a melhor maneira de resolver o problema de brasileiros que obtêm diplomas universitários no exterior. "Isso nos parece muito perigoso. Na medida em que há hoje no Brasil várias universidades federais fazendo provas (para a validação de diplomas) e existe uma manipulação muito grande. Se houver uma prova única, a possibilidade de ocorrer manipulação vai ser muito maior".

O deputado federal Rogério Teófilo (PPS-AL), autor do requerimento para a realização de reunião sobre o tema, disse que, no caso de estudantes brasileiros em Cuba, defendeu uma solução que concilie o interesse dos dois países e dos estudantes. "É importante encontrar um objetivo comum. É preciso que Ministério da Educação adote uma norma para definir como será isso para que o aluno, ao sair do Brasil, saiba o que vai encontrar em outro país e o que terá aqui quando voltar".

No mês passado, decisão da Justiça de Tocantins impediu a atuação de médicos cubanos no estado, com base no pedido do Conselho Regional de Medicina de que não fossem contratados médicos estrangeiros sem revalidação de seus diplomas ou sem registro profissional no país. Com isso, 92 profissionais foram demitidos e 61 tiveram que voltar para Cuba. Depois, a decisão foi derrubada pela Justiça Federal, permitindo que os 35 médicos cubanos que permaneceram no Brasil fossem recontratados pelo governo de Tocantins.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)