Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/04/2009 15:19

Marisa propõe limites à propaganda de alimentos

Raquel Madeira, Assessoria

A senadora Marisa Serrano (PSDB/MS) apresentou o Projeto (PLS 150/2009) para regulamentar a propaganda de alimentos, especialmente os voltados ao público infantil. Pela proposta, a divulgação ou promoção de alimentos com quantidades elevadas de açúcar, gordura saturada, gordura trans, sódio, e as de bebidas com baixo teor nutricional só poderão ser veiculadas em rádio e televisão entre 21h e 6h. O comercial destes produtos ainda deverá ser acompanhado de mensagens de advertência sobre os riscos associados ao consumo excessivo. O projeto espelha-se na regulação da propaganda do tabaco, que tem mostrado resultados positivos em termos de mudanças de comportamento em relação ao consumo de cigarros.

A matéria ainda estabelece que a propaganda não possa sugerir que o alimento é saudável ou benéfico à saúde. Fica também impedido o comercial direcionado às crianças e aos adolescentes, seja mediante a vinculação de personagens ao alimento, seja por meio da oferta de brindes, brinquedos, filmes ou jogos eletrônicos. “Sabemos que o marketing de alimentos influi na escolha do consumidor diante da gôndola do supermercado. É claro que a criança vai querer consumir o biscoito que traz o seu personagem preferido na embalagem”, afirmou Marisa Serrano.

O PLS 150/2009 ainda proíbe a veiculação de propaganda dos alimentos que podem ser danosos à saúde, se consumidos em excesso, em instituições de ensino e em materiais educativos ou lúdicos. A proposição também obriga a divulgação do valor energético dos alimentos. Além disso, recupera, as principais determinações da proposta de regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em relação aos alimentos não-saudáveis.

A pesquisa Monitoramento de Propaganda de Alimentos Visando à Prática da Alimentação Saudável, realizada pelo Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição, da Universidade de Brasília, demonstrou que as propagandas de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal são as mais presentes em alguns meios de comunicação: cerca de 71,6% do total de alimentos veiculados na televisão pertenciam aos grupos de fast food; guloseimas e sorvetes; refrigerantes e sucos artificiais; salgadinhos de pacote; biscoitos doce ou bolos. As crianças foram o alvo preferencial da propaganda de alimentos: 44,1% das peças publicitárias desse tipo foram destinadas a esse público.

Um estudo realizado por pesquisadores da Austrália e dos Países Baixos, editado no European Journal of Public Health, afirma que limitar a exposição de crianças ao marketing de alimentos altamente calóricos pode ajudar a tornar a dieta infantil mais saudável. Segundo a Senadora Marisa Serrano, este é um dos objetivos da iniciativa do projeto de lei de sua autoria. Ela acredita que é preciso estar atento aos índices de obesidade infantil no país. De acordo com uma reportagem da revista Saúde, a obesidade atinge 15% das crianças. A falta de exercícios e a alimentação inadequada são os grandes culpados pelos quilos a mais.

Além do impacto na auto-estima, a obesidade aumenta a chance de problemas ortopédicos, de infecções respiratórias e de pele, diabetes, hipertensão e problemas cardíacos. A criança obesa em idade pré-escolar tem 30% de chances de virar um adulto com excesso de peso. O risco sobe para 50% caso ela entre na adolescência gorda.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)