Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/08/2005 07:00

Marcos Valério garante que Dirceu sabia dos empréstimos

Maria Clarice Dias e Antonio Barros - Agência Câmara

O empresário Marcos Valério de Souza, denunciado como o operador do suposto "mensalão" pago a parlamentares para votar projetos de interesse do Executivo, disse hoje que o ex-ministro-chefe da Casa Civil e atual deputado José Dirceu (PT-SP) sabia dos empréstimos de R$ 55 milhões feitos pelo PT por meio de suas agências publicitárias. Marcos Valério disse ainda que os bancos que emprestaram os R$ 55 milhões também sabiam que os valores se destinavam ao PT.
Ele afirmou, reiteradas vezes, que jamais ouviu falar em "mensalão". O dinheiro, segundo ele, destina-se apenas a saldar compromissos financeiros de deputados endividados por campanhas eleitorais. Valério disse que a essência da operação de empréstimos a partido político no atual governo é similar à do governo passado.

Aval de Dirceu
O empresário disse que se sentiu "tranqüilo" em relação à dívida que havia contraído para o PT com os bancos Rural e BMG porque havia um "aval superior". "Esse aval do Dirceu não foi dado a mim pessoalmente, mas confirmado várias vezes pelo senhor Delúbio (Soares, ex-tesoureiro do PT)", esclareceu.
Além disso, disse ele, o PT estava arrecadando cerca de R$ 50 milhões anuais e tinha a perspectiva de aumentar o caixa porque mais petistas assumiriam cargos nos altos escalões do governo federal. O empresário disse não saber se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinha conhecimento dos empréstimos ao PT. Marcos Valério também negou que tenha contribuído para pagar as despesas da posse do presidente Lula.
Ele negou a informação dada à imprensa pelo deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) de que integrantes do Poder Executivo (ministros e assessores) também teriam se beneficiado de dinheiro das contas de suas empresas. "Nunca dei nenhum centavo a nenhum ministro e a nenhum presidente da República. Não adianta o deputado Roberto Jefferson construir história", disse.

Rancor
Marcos Valério informou que vai entrar com ação na Justiça para manter os contratos cancelados pelo Governo Federal, uma vez que, segundo o empresário, os contratos eram legais, amparados pela Lei de Licitações. Valério disse que se sentiu usado por toda a cúpula do PT — Delúbio Soares, Marcelo Sereno, Jose Genoino e José Dirceu, que foram citados nominalmente.
O empresário disse que teve a vida destruída por Delúbio Soares e por José Dirceu, a quem considera hoje um inimigo. Ele informou que foi obrigado a demitir todos os funcionários de suas empresas de publicidade e que teve suspensos todos os seus contratos com o governo federal.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)