Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

27/12/2003 16:14

Mal da Vaca Louca: Embrapa desenvolve método

Kelly Oliveira/ABr

Nessa semana, o mal da Vaca Louca (encefalopatia espongiforme bovina) voltou a causar tensão no mercado consumidor de carne bovina. O Brasil saiu na frente e desenvolveu um método de prevenção da Vaca Louca, por meio de análise da ração animal utilizada na alimentação dos rebanhos. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o método pode ser usado por outros países, principalmente da Europa. "A técnica desenvolvida é inovadora pela velocidade e precisão na avaliação da existência de proteínas animais na ração", revela o pesquisador da Embrapa, Carlos Bloch.

"O Brasil tem a oportunidade de fazer o licenciamento desse método para outros países. Isto porque a tecnologia é inovadora e permite que se faça a análise com grande rapidez e precisão", garante o pesquisador da Embrapa, José Cabral. O Brasil patenteou a pesquisa no início de 2002, junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Para desenvolver o método foram investidos R$ 600 mil, durante seis meses.

O custo para realizar a análise é de US$ 80, por amostra, sendo necessário apenas uma pequena quantidade, ou um microlitro, e o resultado sai em um minuto, por meio da técnica chamada de Espectrometria de Massa.

Os países da Europa utilizam o método chamado de microscopia ótica. Segundo Bloch, essa técnica tem limitações porque necessita de uma boa avaliação do operador da análise que verifica se há origem animal, por meio da diferenciação de grânulos da amostra. Um outro método utilizado é o PCR, também usado para testar paternidade, mas apresenta limitações na avaliação da presença de proteína animal. Outro método é o Elisa, que consiste em testar a amostra por meio de anticorpos produzidos com proteína de porco. Mas, segundo Bloch, como esse método só utilizava a proteína do porco e não de outros animais, só detecta 10% dos casos.

Segundo Carlos Bloch, o risco do Brasil desenvolver o mal da Vaca Louca é pequeno porque a maior parte do rebanho brasileiro é criado em pastos e se alimenta de capim e não de ração. Além disso, há como prevenir a presença da proteína animal por meio do novo método. Na primeira etapa da pesquisa foram realizadas análises em 185 amostras, sendo que 9% apresentaram proteínas.

Bloch disse que a existência das proteínas na ração ocorria por falta de higienização dos equipamentos na hora de produzir o alimento. “A contaminação não era criminosa, como acontecia na Europa, mas uma questão de manipulação”.

O pesquisador José Cabral defende que o governo brasileiro deveria investir mais no controle do uso de proteína animal por meio de fiscalização e tornando obrigatório a coleta de amostras de ração para análise.

O próximo passo dos pesquisadores da Embrapa é desenvolver um método para a avaliação da carne de frango e ovos. O objetivo é avaliar se há a presença de um antibiótico, chamado de nitroflurano, que pode causar câncer. O método será desenvolvido, no próximo ano, em parceira com a Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango (ABEF). “Com o medo da Vaca Louca, há a expectativa de aumentar a exportação de frango, por isso o método servirá para qualificar a carne de frango brasileira no exterior”, acredita Bloch.

Desde de 1999, o Ministério da Agricultura proibiu o uso de proteínas animais na fabricação de ração para bovinos. Isso porque o uso sem controle de carne, ossos, sangue e vísceras na alimentação dos animais pode causar a contaminação do rebanho.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)