Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/08/2007 05:44

Júri condena outro acusado de crime no Parque Oeste

TJGO

O 1º Tribunal do Júri de Goiânia, presidido pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, condenou ontem (28) o operário Eduardo Gomes da Silva, de 27 anos, a 15 anos e 6 meses de reclusão pela morte do vendedor autônomo Willian Fernando Borges Santana, 33. O fato ocorreu por volta das 23h30 de 21 de setembro de 2004, na antiga invasão do Parque Oeste Industrial, em Goiânia. O vidraceiro Fábio Germano de Souza, de 29 anos, também acusado de participar do crime, recebeu pena equivalente à de Eduardo, ao ser julgado no dia 22 pelo mesmo Tribunal.

Eles foram acusados de matar Willian com emprego de três qualificadoras (circunstâncias que podem aumentar a pena) – motivo fútil, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Ambos terão de cumprir a sentença em regime inicialmente fechado, na Penitenciária Odenir Guimarães, antigo Cepaigo. Eduardo, ao ser interrogado, negou a autoria do crime e acusou Fábio de ser o responsável pelo homicídio, que, por sua vez, em seu julgamento alegou o oposto. Conforme o Ministério Público, além dos dois sentenciados, participaram também do assassinato a ex-mulher do réu, Cristiane da Silva Alencar, e uma pessoa identificada apenas como Galego.

Na ocasião, Eduardo era dono de um bar, onde dias antes do crime a vítima, ao pedir uma bebida, chamou Cristiane de "Gatinha". No dia do fato, Willian foi novamente ao estabelecimento e ao ver Cristiane disse: "Meu amorzinho, pega uma cerveja para mim", o que fez Eduardo discutir com a vítima. Ainda segundo a denúncia, Fábio e Galego entraram na discussão e começaram a espancar Willian com chutes, murros, pedradas e facadas, tendo Eduardo usado uma escavadeira para ferir a vítima na cabeça. Relata a denúncia que Cristiane incentivava os acusados a matar Willian, enquanto verificava se havia alguém presenciando o crime.

A vítima foi espancada por cerca de 30 minutos e depois teve o corpo abandonado em um barraco de lona. Eduardo disse que não usou nenhum tipo de material durante a briga que teve com Willian. Segundo ele, só soube que o vendedor autônomo havia morrido no dia seguinte, quando retornou da casa de uma irmã. Cristiane teve o processo desmembrado. (Sheila Cavalcante)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)