Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

17/07/2013 17:28

Juiz cassa Dr. Renato e decide diplomar 2º colocado em Bela Vista

Zemil Rocha, Campo Grande News
Dr. Renato vai recorrer contra a decisão do juiz eleitoral de Bela Vista (Foto: Marcos Ermínio)Dr. Renato vai recorrer contra a decisão do juiz eleitoral de Bela Vista (Foto: Marcos Ermínio)

O juiz Maurício Cleber Miglioranzi Santos, da 17ª Zona Eleitoral, decidiu não diplomar o prefeito eleito de Bela Vista, Dr. Renato de Souza Rosa (PSB), por considerar como “consectário lógico” da inelegibilidade decretada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) na última segunda-feira a “cassação da candidatura” do socialista. A decisão foi tomada hoje nos autos do processo de Registro de Candidatura n° 53-34.2013.6.12.0017.

Como Dr. Renato conquistou 41,83% do eleitorado (4.863 votos), não haverá necessidade de convocar nova eleição em Bela Vista, o que só aconteceria se ele tivesse sido vitorioso com mais de 50%. Pela decisão do juiz Maurício Cleber, deverá assumir a Prefeitura de Bela Vista o segundo colocada na disputa do último dia 7 de julho, Marco Antônio Palmieri (DEM), ) que ficou com 29,32%, o que representa 3.407 votos.

A diplomação de Marco Palmieri está marcada para a próxima sexta-feira, às 11 horas, no Tribunal do Júri de Bela Vista. Advogados de Dr. Renato, porém, vão entrar com recurso no TRE, por entender que houve afronta ao seu julgado.

Por maioria de votos, o TRE havia entendido que a inelegibilidade não impediu Dr. Renato de concorrer nas eleições suplementares de Bela Vista e também não impedirá a diplomação e posse do prefeito eleito, uma vez que o registro de sua candidatura foi regularmente deferido pelo juízo eleitoral, por ocasião das eleições suplementares. No acórdão, o TER argumentou que não havia decisão colegiada confirmando a inelegibilidade do candidato. Para esse Tribunal, seria necessário uma nova ação judicial, específica, para se cassar Dr. Renato.

Já o juiz Maurício Cleber, citando jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e alguns TREs e a inovação do ordenamento trazida pela “Lei da Ficha Limpa” (Lei Complementar 135/2010), considerou que não cabe “vácuo jurídico” (ausência de ações previstas) em questões que mexem inclusive com a celeridade e credibilidade da própria Justiça Eleitoral.

Num de seus argumentos, o juiz transcreve uma decisão do TRE de Minas Gerais: “Tendo notícia de uma condenação criminal transitada em julgado, o que redunda na suspensão de direitos políticos do recorrente e na inelegibilidade prevista no art. 14, § 3º, II, da Constituição da República, cabe ao magistrado não diplomá-lo, de ofício. Cogitar-se da necessidade de interposição de recurso contra diplomação para tal constatação, seria negar vigência a um preceito constitucional de aplicação imediata, que não requer maiores formalidades.” (TRE-MG, Rec. n. 76/01, Resplendor, Des. Antônio Hélio Silva, MG de 10/9/2003 – grifei)”.

E ao final, Maurício Cleber decide: “Diante disso, à vista do teor do Acórdão n. 7894 proferido pelo E. TRE/MS, nos autos da Ação de Investigação Judicial Eleitoral nº 430-39.2012.6.12.0017, observado o “Princípio da Indivisibilidade da Chapa “, resta inviável a diplomação de Renato de Souza Rosa e Douglas Rosa Gomes, porquanto consectário lógico da decisão de inelegibilidade emanada Superior Instância é a cassação do registro do candidato Renato de Souza Rosa.”

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Domingo, 19 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Sábado, 18 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 17 de Novembro de 2017
19:49
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)