Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/05/2008 11:12

Governo estuda elevar superávit primário

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está discutindo com conselheiros econômicos a elevação do superávit primário (economia para abater a dívida pública) no país dos atuais 3,8% para 5% do PIB, informa reportagem de Kennedy Alencar publicada na Folha deste sábado (íntegra disponível para assinantes do jornal e do UOL).

O percentual que exceder os atuais 3,8% seria utilizado para financiar o chamado fundo soberano (fundo de investimentos estatal que usa como recurso as reservas internacionais ou outras fontes de receita governamentais).

Com a medida, que foi proposta pelo economista Luiz Gonzaga Belluzzo e tem o apoio do ministro Guido Mantega (Fazenda) e de Henrique Meirelles, presidente do Banco Central, o governo espera aumentar o aperto fiscal para combater a inflação, tentar amenizar a alta dos juros e financiar investimentos brasileiros no exterior.

Na quarta-feira (7), Mantega afirmou que o fundo soberano deverá ser montado com recursos da arrecadação de impostos e com a compra de dólares pelo Tesouro Nacional na mercado interno

"[O dinheiro] poderá vir de fonte tributária e poderá vir também da aquisição de dólares no mercado local", disse Mantega. "Aliás, o Tesouro já compra dólares, já administra carteira de dólares, carteira de títulos, portanto está totalmente habilitado a fazer essas operações."

O fundo soberano é um instrumento financeiro criado por alguns países para administrar, geralmente, as suas reservas internacionais, o que não será o caso do Brasil. Em geral, são países com muitos dólares, oriundos principalmente de exportações. Entre os maiores fundos soberanos estão os da China, Cingapura, Arábia Saudita e Noruega.

Hoje, as reservas internacionais são administradas pelo Banco Central. Já o fundo deve ser gerido pelo Tesouro Nacional, subordinado ao Ministério da Fazenda.

Mantega à Folha disse que, no Brasil, inicialmente boa parte dos recursos será destinada a comprar debêntures do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social), para que a instituição tenha recursos destinados a financiar empresas brasileiras no exterior.

Uma vantagem da compra das debêntures (títulos de dívida de empresas) do BNDES, segundo Mantega, é o fato delas renderem mais do que as feitas com o dinheiro da reserva cambial. O debênture do BNDES pode render 11% ao ano ou IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mais 6,2%, dependendo do tipo de aplicação escolhida. As aplicações da reserva rendem no máximo 4,5% ao ano.









Folha On Line

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)