Cassilândia, Domingo, 20 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

20/09/2003 08:48

Governo admite mudanças na votação da reforma no Senado

Marcos Chagas/Agência Brasil

Brasília - O governo já sinaliza algumas mudanças, no Senado, no texto da reforma tributária, aprovada em primeiro turno pela Câmara. O líder do governo no Senado, Aloízio Mercadante (PT-SP) afirmou, ontem, que o noroeste fluminense pode ser retirado do Fundo de Desenvolvimento Regional (FDR) criado para compensar as perdas que os estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste terão com as mudanças no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Tanto o noroeste fluminense quanto o Vale do Jequitinhonha (MG) foram incorporados ao fundo por pressão das bancadas dos dois estados.

Mercadante ressaltou que as negociações que já estão encaminhadas no Senado prevêem o repasse de 5% a 10% dos recursos do fundo para bolsões de pobreza em todo o país. Desta forma, o noroeste do Rio de Janeiro, como o Vale do Ribeira (SP), poderiam ser beneficiados com parte dos recursos. A inclusão do Rio de Janeiro no FDR irritou as bancadas do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Nesta semana, o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) foi a tribuna e reclamou do acordo fechado pelo relator Virgílio Guimarães (PT-MG). Segundo ele, “Copacabana, Ipanema e Leblon passaram a fazer parte do Nordeste”.

Para o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), a idéia de separar parte dos recursos do fundo para os bolsões de pobreza que estiverem fora das três regiões resolveria o problema e não implicaria em prejuízos aos mais pobres. Calheiros admite, entretanto, destinar apenas 5% dos R$ 2,5 bilhões do Fundo de Desenvolvimento Regional aos bolsões de pobreza. Mercadante sinalizou com um repasse de 10%. “Por enquanto, não há decisão nenhuma. É apenas uma proposta que agrega”, resumiu o líder do governo.

Na reunião de anteontem à noite, no Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu aos líderes e vice-líderes da base do governo que o fatiamento da reforma tributária é inevitável. A idéia é aprovar as cinco alíquotas do ICMS por lei complementar do Senado, garantindo mais rapidez no processo de implantação. O enquadramento dos produtos dentro dos novos percentuais serão feitos pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) com a homologação do Senado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 19 de Setembro de 2020
Sexta, 18 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)