Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/02/2008 07:54

Febre amarela não ameaça grandes cidades; os motivos.

Agência do Rádio

Desde que surgiram no País novos casos confirmados de febre amarela na forma silvestre, no final do ano passado, parte da população pergunta se estaremos à beira de uma infestação que pode migrar das regiões de matas e florestas para as ruas das cidades. O secretário adjunto da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Fabiano Pimenta, apresenta quatro motivos para afastar essa possibilidade.

"Na febre amarela silvestre, o mosquito é outro mosquito, é outro gênero, diferente do Aedes aegypti, são mosquitos Haemagogus e Sabethes, eles, normalmente, não se alimentam de sangue humano, diferentemente do mosquito Aedes aegypti. O mosquito Aedes aegypti tem preferência quase que exclusiva pelo sangue humano. Então, para que a febre amarela saísse de seu ciclo normal, que é o ciclo de macaco/ Haemagogus, que é o mosquito que existe nas matas, para outro macaco, é preciso que o Aedes aegypti invertesse completamente o seu hábito de sangue e fosse s alimentar de sangue do macaco, isso não acontece. A outra hipótese seria chegar uma pessoa doente, em uma cidade e fosse picada por um Aedes aegypti, que aí sim multiplicaria o vírus no seu organismo e isso não é uma coisa imediata, demora de oito a dez dias, e mais do que isso, o número de pacientes que chegam com febre amarela no período em que o vírus está no sangue circulando nessa pessoa, e aí é só nesse momento em que o Aedes aegypti tem condições de ingerir, digamos assim, o vírus, ou adquirir o vírus da febre amarela, é muito curto, daí a menor ou baixíssima possibilidade que isso aconteça, diferentemente da dengue. Além do mais, a febre amarela tem vacina. Existe um grande número de brasileiros, mais de cem milhões de pessoas vacinadas contra a febre amarela. Então, a possibilidade de ter uma pessoa com vírus de febre amarela, que ele adquiriu na mata, e que venha para uma cidade para ser infectado ou infectar um Aedes aegypti, é praticamente desprezível. Além do mais, normalmente, essas pessoas vão para os hospitais e os hospitais também têm as medidas preventivas contra o Aedes aegypti. Esses locais, onde os pacientes são internados, normalmente são telados, e as equipes que fazem o controle do Aedes aegypti fazem um controle semanal nesses locais, de forma que garanta uma baixa infestação do Aedes aegypit".

De Brasília, Paulo César Campos

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)