Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

13/03/2008 19:01

Extradição de Abadia condicionada a pena máxima

Antonio Arrais /ABr

Brasília - Ao autorizar, hoje (13), por unanimidade, a extradição para os Estados Unidos do traficante colombiano Juan Carlos Ramírez Abadía, o Supremo Tribunal Federal (STF) condicionou a decisão a um compromisso da Justiça norte-americana de comutar eventual pena de prisão perpétua ou de morte em pena privativa de liberdade, com prazo máximo de 30 anos, pena máxima prevista na legislação penal brasileira.

O acordo entre as autoridades norte-americanas e brasileiras no sentido decidido pelo STF caberá, a partir de agora, ao Ministério da Justiça.

Na hipótese de as autoridades norte-americanas não aceitarem os termos da garantia da extradição, o traficante colombiano permanecerá no Brasil, subordinado às leis brasileiras. Nesse caso, continuará a responder às ações penais de que é alvo desde que foi preso, em agosto de 2007, na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

Segundo o ministro Eros Grau, relator do pedido de extradição de Abadía, caberá ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidir se extradita o traficante e, para isso, não existe um prazo fixado. Ao STF, segundo o ministro, cabe apenas o controle da legalidade do ato de extradição.

Nos Estados Unidos, o traficante colombiano tem mandado de prisão, no estado de Nova York, pelos crimes de empreendimento criminoso continuado, conspiração da importação e distribuição internacional de cocaína, além de conspiração para lavagem de dinheiro.

Juan Carlos Ramírez Abadía é considerado, tanto pelas autoridades americanas quanto pelas brasileiras, um dos maiores traficantes de drogas do mundo.

Ao votar no sentido de que o STF deveria aceitar o pedido de extradição feito pelo governo norte-americano, o ministro Eros Grau lembrou que a concordância do próprio Abadía com a extradição, alegada por seu advogado, Luiz Gustavo Battaglin Maciel, não era fator a ser levado em conta, muito menos a conveniência, ou não, da extradição: "Quem vai decidir isso é o presidente da República", disse o ministro-relator.

Os demais ministros acompanharam o voto do relator, numa decisão tomada em cerca de 15 minutos, durante a qual ficou acertado que a Justiça dos Estados Unidos, quando vier a aplicar pena (que não poderá passar de 30 anos de prisão), descontará o tempo que Juan Carlos Martinez Abadía já cumpriu no Brasil.





Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)