Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/02/2009 16:43

Escolas de samba do Rio de Janeiro usam a criatividade

Flávia Vilela, ABr

Brasília - Com a finalização dos protótipos das fantasias, em setembro, a escola de samba carioca Viradouro iniciou então a cotação de preços dos adereços e materiais. Já faltavam produtos na praça e os importados estavam mais caros do que o normal. Com o agravamento da crise econômica mundial, a situação piorou em dezembro, segundo o carnavalesco da Viradouro, Milton Cunha, que teve muita dificuldade de encontrar produtos a preço accessível, como isopor e plumas.

“Alguns importadores não compraram com força total então faltou estoque. O produto que me trouxe mais dor de cabeça, neste ano, foi o isopor. Por ser um derivado de petróleo aumentou muito o preço. Tive de substituir muitas esculturas por espuma”, diz ele.

O alto preço das plumas e dos galões, produtos em sua maioria importados, foram as maiores queixas dos carnavalescos, que disseram ser itens de difícil substituição. O jeito foi buscar o que havia de similar no mercado nacional. “Eu trabalhava com as plumas choronas que passou a custar R$ 300 o quilo e tive então que substituir pela pluma palito, bem mais barata”.

A Império Serrano, escola do bairro de Madureira, não chegou a sentir tanto os efeitos da crise, pois como explicou o diretor da escola, Waltinho Honorato, a maioria dos materiais já haviam sido comprados com certa antecedência. “Já havia indícios da crise, mas não havia chegado ao mercado no início de setembro quando compramos a maior parte dos materiais”.

Segundo, Waltinho, cerca de 40% dos produtos utilizados na confecção do carnaval carioca são importados, como tecidos de brilho e plumas. Ele explicou que 90% do material utilizado nas alegorias e fantasias são novos, pois a escola acabou de sair do Grupo de Acesso e não quis arriscar perder o “luxo e o glamour” na avenida. Ainda assim, materiais alternativos como as garrafas pet foram usados como enfeites em carros alegóricos.

As garrafas pet também são itens presentes há alguns anos na Mangueira, segundo o carnavalesco Roberto Szaniecki, que vem utilizando materiais recicláveis com cada vez mais freqüência. “Também usamos chapas de alumínio. Tem muita coisa legal que está funcionando muito bem e é quase a metade do preço. O Polietileno em folha, por exemplo não é comum no carnaval, mas estou usando por ser muito prático na forração de carros alegóricos, além de ser mais barato que a madeira”. Outra estratégia do carnavalesco da Mangueira é buscar materiais que já tenham alguma textura que possibilite eliminar etapas, como forração e pintura.

Mesmo com os improvisos de última hora e substituições de emergência, os carnavalescos não acreditam que a crise possa prejudicar a beleza do carnaval, mas sim incentivar a criatividade. “Se a crise se agravar,” disse Waltinho, “os carnavalescos vão arranjar alternativas, buscar com produtos nacionais e recicláveis”, afirmou.

Segundo ele, esta não é a primeira nem será a última crise pela qual passam as escolas de samba. “Na década de 80, houve uma forte crise e as escolas sentiram e se readequaram ao momento. Acredito que o carnaval sempre acha uma saída para se reinventar e para não perder o glamour”.

Milton, da Viradouro, vai mais além: “Acho que a crise pode incentivar a Viradouro a ter mais garra, a cantar com mais felicidade. Dá para driblar a crise, mas não a alegria que deve sempre ser em dobro no carnaval.”



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)