Cassilândia, Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

Últimas Notícias

03/08/2018 16:39

Dopado por “rebite”, caminhoneiro caiu em rio e mentiu sobre assalto

Polícia desconfiou da história e no trajeto onde teria ocorrido tentativa de assalto descobriu que “alucinado”, motorista parou em conveniência para comprar bebida

Campo Grande News

O motorista de 40 anos que na manhã de hoje caiu com uma carreta bitrem no Rio São Domingos, na MS-157, que liga Itaporã a Maracaju, mentiu sobre a tentativa de assalto. Ele caiu da ponte porque estava sob efeito de álcool e medicamentos.

Com ferimentos nas pernas e nos braços, o motorista conseguiu sair da carreta e levado por pessoas que passavam pelo local ao hospital de Itaporã. O destino da viagem seria Maracaju, onde iria pegar uma carga de grãos.

O SIG (Serviço de Investigações Gerais), da Polícia Civil, descobriu que o paranaense de Maringá tinha ingerido bebida alcoólica e tomou “rebite”, como é chamada a anfetamina usada por motoristas de caminhão para ficar acordado por mais tempo.

Ao Campo Grande News, o delegado-chefe do SIG, Rodolfo Daltro, disse que a história contada pelo caminhoneiro gerou desconfiança desde o início. “Ele falou que a tentativa de assalto foi praticada por várias pessoas com armamento pesado ocupando um veículo que seguiu a carreta, modo de operação que não é comum aqui nessa região”.

A equipe do SIG percorreu o trecho em que o caminhoneiro afirmou ter ocorrido a tentativa de assalto e descobriu que ele tinha parado em uma conveniência para comprar bebida, demonstrando estar alucinado.

“O companheiro dele que viajava em outra carreta disse que o colega falava pelo rádio que estava sendo perseguido e percebeu a carreta atravessando a estrada. Em Itaporã, ele derrubou um pequeno poste com a carreta”, disse o delegado. O outro caminhoneiro também tinha bebido e usado "rebite", segundo o policial.

Rodolfo Daltro disse que apesar de o caminhoneiro sustentar a versão de que homens armados teriam até subido na carreta para obrigá-lo a parar, a história não tinha sentido. “Ele disse que a tentativa de assalto foi entre Dourados e Itaporã e conseguiu fugir. Se estava sendo perseguido, porque não pediu ajuda em Itaporã. O rio onde a carreta caiu fica a 24 km da cidade”, afirmou o delegado.

Diante das evidências, o caminhoneiro acabou contando a verdade e disse que inventou a história com medo de ser demitido. Já o outro motorista teria sido induzido pelo colega sobre o suposto assalto, embora também tivesse consumido álcool. Os dois devem responder por falsa comunicação de crime.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 14 de Novembro de 2018
Terça, 13 de Novembro de 2018
17:57
Cassilândia/Paranaiba/Chapadão
09:00
Santo do dia
Segunda, 12 de Novembro de 2018
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)