Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/03/2006 08:56

Deputados aprovam juizados em defesa da mulher

TJ/MS

O plenário da Câmara Federal aprovou esta semana o projeto de lei nº 4559/04 que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, além de dispor sobre a criação e funcionamento dos Juizados Especiais para esse fim específico. O projeto, que segue agora para o Senado, propõe que os crimes de violência doméstica e familiar sejam retirados da abrangência da Lei Federal n. 9.099/95 (que criou os Juizados Especiais) e sejam instituídos os Juizados de Violência Doméstica e Familiar, quando serão vedadas as penas de prestação pecuniária e cesta básica; estabelecida multa por descumprimento da pena restritiva de direitos e interrupção do prazo prescricional em caso de não cumprimento desta.

Outros pontos do projeto são: garantir, em caso de violência sexual, o acesso à contracepção de emergência; o emprego de meios para evitar Doenças Sexualmente Transmissíveis (as DSTs) e AIDS; alteração do Código Penal, com agravante da pena no Art. 129, nos casos em que a mulher for portadora de deficiência; inclusão da possibilidade de o juiz determinar a separação de corpos e prestação de alimentos provisórios; inclusão na Lei de Execuções Penais de pena alternativa (Art. 152) que torna obrigatório o comparecimento do agressor em programas de reeducação e o prazo de 18 meses para criação dos Juizados Especiais acima especificados.

Para a coordenadora de Políticas para a Mulher de Campo Grande, Carla Stephanini, a proposta simboliza a luta das mulheres de todo o país. “O projeto foi colocado em discussão para que os grupos da sociedade, que lutam pelas garantias dos direitos das mulheres e pela ampliação desses direitos, avaliem cuidadosamente as propostas. Houve ampla discussão para aprimoramentos e incorporação das sugestões da sociedade civil organizada”, considerou a coordenadora.

Para o juiz Olivar Augusto Roberti Coneglian que, por quase três anos, atuou na Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Três Lagoas, o que se tem no Congresso é um projeto de lei que procura criar um sistema de proteção à mulher vítima de violência doméstica. “Percebe-se que a proposta não é especificamente retirar os delitos contra a mulher da competência dos Juizados, mas criar varas com competência específica na área”.

O Dr. Olivar aponta no projeto itens a serem acertados. “Chamou minha atenção não somente os novos instrumentos criados, já que em quase sua totalidade repete o que já está determinado em outros textos legais, mas a possibilidade de sistematização em um único texto legislativo de todo o tema, do comportamento dos sujeitos e das autoridades frente ao assunto. Entretanto, para a criação desses Juizados devem ser analisadas as necessidades de cada local”, opinou.

Avanço - A coordenadora fez questão de ressaltar o que considera o maior avanço na proposta: a previsão de violência moral e psicológica. “É reconhecida a atual relutância da mulher para denunciar e as dificuldades de comprovar a violência. De qualquer forma, foi um grande passo e tenho certeza que a lei fará a diferença. Entretanto, como tudo o que envolve a mulher, existem obstáculos de implementação, embora o projeto estipule prazo para a criação dos Juizados”.

No entender do magistrado, pode não ser tão fácil criar uma vara exclusiva para a mulher vítima de violência doméstica e ele exemplifica com a questão da Infância e Juventude. “Apenas em cidades maiores existem varas com essa competência de forma exclusiva e, se aprovado o projeto, a tendência é que as novas varas sejam implantadas apenas nos municípios de maior porte, sendo incorporada a outras varas nas cidades menores”, completa Dr. Olivar.

Experiência – Questionado sobre a freqüência do tema no período em que esteve a frente de um Juizado Especial, o Dr. Olivar conta que os números de casos envolvendo questões sobre violência familiar são mais comuns do que se pensa: na comarca de Três Lagoas, pelo menos, de cinco a dez casos são registrados por semana.

“A violência familiar tornou-se uma questão social. Não adianta penalizar determinada conduta e, ao mesmo tempo, fazer com que a vítima continue vivendo com seu algoz. Talvez o grande mérito do referido projeto seja a procura por um tratamento interdisciplinar à questão”, observou o juiz.

Autoria do texto:

Marília Capellini

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)