Cassilândia, Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

Últimas Notícias

20/03/2020 00:00

Deputado apresenta terceiro pedido de impeachment de Bolsonaro

Midiamax

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou nesta quinta-feira, dia 19, o terceiro pedido de impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). A peça alega que o mandatário cometeu crime de responsabilidade ao ajudar a convocar as manifestações do último domingo, 15, a favor de seu governo e contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Também afirma que o presidente cometeu crime contra a segurança nacional ao convocar a população a - segundo a peça - derrubar o Congresso; crime de responsabilidade ao atentar contra o decoro do cargo na ocasião das agressões contra as jornalistas Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, Vera Magalhães, do jornal O Estado de S.Paulo; e crime contra a saúde pública - conforme antecipou a reportagem - ao ignorar a orientação de ficar em isolamento enquanto refazia os testes para o coronavírus e cumprimentar seus apoiadores durante a manifestação pró-governo.

O pedido também alega falta de impessoalidade na condução da vida pública. A peça pede que as jornalistas Campos Mello e Magalhães sejam arroladas como testemunhas. Também solicita ouvir além de o ex-deputado Alberto Fraga, que é próximo ao presidente, o deputado Nereu Crispim e o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

"Juridicamente estamos muito bem amarrados, Bolsonaro cometeu vários crimes", afirmou em vídeo em seu perfil no Twitter. "Politicamente, estamos construindo esse momento e não importa partido, se você é de esquerda, de direita, de centro; não importa religião, cor, sexo. Não importa a sua opção sexual. O importante é que todos estejam juntos neste momento. Não é possívei mais que esse homem fique comandando a nação brasileira", completou.

Manifestante contumaz na época dos protestos contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, Frota foi eleito deputado na esteira do Bolsonarismo. Em agosto, no entanto, foi expulso do PSL - a sigla que abrigou o presidente e seus aliados durante as eleições de 2018 - por frequentes críticas ao governo federal. Depois, Bolsonaro se desentendeu com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, e também deixou a agremiação.

Outros pedidos

Outros dois pedidos de impeachment contra Bolsonaro foram protocolados na Câmara esta semana. O primeiro foi feito na terça-feira pelo deputado distrital Leandro Grass, da Rede, e alega alguns dos mesmos supostos crimes que a peça de Frota.

Depois, na quarta, alguns deputados do PSOL apresentaram um segundo pedido de impeachment, que conta com o endosso de intelectuais. Todos os três pedidos até agora classificam como crime de responsabilidade o chamamento que Bolsonaro fez para os atos anti-Congresso e anti-STF de domingo, 15.

A escolha de dar ou não seguimento a essas demandas cabe ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na segunda-feira, 16, quando foi procurado pelo jornal O Estado de S.Paulo para comentar sobre o pedido de impeachment iminente de Frota, o deputado informou que não iria se manifestar.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Maia deu a entender que o Congresso não deve se envolver com a iniciativa de um impeachment. O deputado disse ainda que tem a impressão que o próprio Bolsonaro está trabalhando para esticar a corda da tolerância rumo a um impedimento.

Recuo

Nesta quarta-feira, 18, o presidente tentou negar, em coletiva, que houvesse convocado apoiadores para os atos a seu favor do último domingo.

"O povo, por sua livre espontânea vontade, decidiu ir às ruas", disse. "Não convoquei ninguém, não existe nem um áudio e nenhuma imagem minha convocando para o dia 15 de março. Existe um vídeo convocando para o dia 15 de março de 2015", alegou, sobre os atos pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

No entanto, foi um dos filhos do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, quem divulgou vídeo da convocatória no último dia 7, afirmando ser sobre as manifestações do último domingo.

"Presidente @jairbolsonaro se pronunciou agora pouco em Roraima sobre as manifestações de 15 de março", escreveu. O presidente também compartilhou um vídeo da mesma viagem a Roraima. Na agenda oficial, consta a ida do mandatário para Boa Vista naquele mesmo dia 7.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 10 de Agosto de 2020
Domingo, 09 de Agosto de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)