Cassilândia, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

16/09/2006 07:22

Crônica do Corino - O Psicólogo’ de Jacobina II

Corino Rodrigues Alvarenga
Cassilândia NewsCassilândia News

Era a tarde do domingo dia 14 de outubro de 1990. José Antônio, o nosso herói Sena, entra no estádio da Fonte Nova, em Salvador, para cobrir o jogão pela semifinal do Campeonato Brasileiro, envolvendo as equipes de Bahia e Corinthians. Dias antes, o Corinthians havia vencido o Bahia, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, por 2 a 1, e precisava de pelo menos um empate para ir à final do Brasileirão.
E Sena estava lá, com sua filmadora, desempenhado a sua missão de cinegrafista da suposta TVS Canal Independente. A Fonte Nova estava superlotada com cerca de 80 fanáticos torcedores. A grande maioria era de tricolores da Bahia de Todos os Santos.
Sena enfrentou um probleminha logo na entrada do estádio: foi barrado na portaria por um forte segurança, porque apresentou como credencial de repórter uma carteira velha de um extinto jornal jacobinense. O jornal já não existia mais. E a carteira só existia para Sena. Mas, afinal de contas, era melhor do que nada.
Como está sempre bem acompanhado por respeitados jornalistas e radialistas, os seguranças da portaria foram convencidos a deixar o nosso herói entrar para desempenhar sua função de bem-informar, com seus registros de cinegrafista e de repórter, os fatos que são de interesse do grande público.
Já dentro do gramado, o barbeiro Sena, ali na função de cinegrafista, provocou a ira do árbitro da partida, uma vez que permaneceu no campo para uma demorada entrevista com o bandeirinha, atrasando o início da partida. O jogo que esperasse, ora, ora! A informação, para o cinegrafista Sena, está sempre em primeiro lugar. Furo de reportagem, então, nem se fala.
Naquela época não havia o monopólio da Globo nas transmissão esportivas e duas emissoras transmitiam o clássico para todo o País. Luciano do Valle, narrador da Band – que era até então TV Bandeirantes -, por pouco não perdeu a compostura:
- Datena, quem é esse maluco que está dentro do campo entrevistando o bandeirinha?
- Não sei, Luciano, pois não é comum entrevistar bandeirinhas. Mas vou checar.
No intervalo do jogo, Sena corria todo o gramado com sua filmadora e seu fiel gravador. Ao abordar o jogador Tupãzinho (que seria depois o autor do gol da final, contra o São Paulo, que daria o título de campeão brasileiro ao Corinthians), o nosso grande repórter Sena disparou, à queima roupa:
- Tupãzinho, índio véio, de que tribo indígena você é?
O jogador ficou imóvel, sem resposta. Não entendeu a pergunta. Não tinha resposta.
Sena não aceitou aquilo como uma derrota. O profissional de Imprensa é, acima de tudo, um forte. E, sendo nordestino, mais ainda. E foi à cata de mais entrevistados para levar à redação da suposta TVS Canal Independente.
Ele passou pelo treinador Mário Sérgio e demonstrou intimidade ímpar – para o espanto do profissional de futebol que não o conhecia.
- E aí, Marão? Como vai, cabra véio?
Mário Sérgio fez aquela mesma cara fechada e sisuda que o credenciou ao apelido de “Rei do Gatilho”, quando, irado, teria sacado sua arma após um jogo de futebol no interior de São Paulo. Ele fechou a cara. E Sena abriu aquele sorriso cativante. Moral: tomou conta do pedaço.
Nem Paulo Maracajá Pereira, considerado o melhor presidente da história do Bahia e responsável pelo título brasileiro conquistado em 1988, passou em branco. Sena, ligado naquelas paradas todas do futebol do Baêa, não perdeu o pique:
- Diga aí, Paulo Maracujá!
Paulo ficou mudo. E enrugou-se todo. Como um maracujá. Sena apenas se coçou. Sentiu falta do precioso líquido: a cerveja.
Sena ficou sozinho no gigantesco estádio da Fonte Nova, depois daquele jogo que terminou com o placar de 0 x 0. Sem perder o foco, permaneceu por longos minutos filmando as arquibancadas vazias do estádio.
Os últimos torcedores do Bahia, revoltados diante da desclassificação do time, atearam fogo em papéis e papelões. Sena não pensou duas vezes, pôs a fimadora para registrar os papéis queimando, pegou o microfone e filosofou:
- O estádio da Fonte Nova, cara, ó, está aí vazio. A torcida do Baêa se foi, retado porque o time jogou um futebol bem do derrubadinho. E a torcida ficou revoltada, cara, e pôs fogo em tudo por aqui.
E olhando para a lente, fulminou, filosofando:
- O estádio da Fonte Nova virou a Roma de Nero: agora só ficou... fogo e fumaça.

Corino Rodrigues de Alvarenga
Contatos com o colunista:
corinorodrigues@hotmail.com

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 19 de Janeiro de 2017
10:00
Receita do Dia
Quarta, 18 de Janeiro de 2017
21:49
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)