Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/09/2006 12:26

Compra de votos já começa a se intensificar em MS

Graciliano Rocha e Paulo Fernandes/Campo Grande News

A sequência de prisões recentes, incluindo de dois coronéis da Polícia Militar na semana passada, jogou à luz da opinião pública a discussão sobre um fenômeno talvez tão antigo quanto as eleições diretas no Brasil: a compra de votos. Com a chegada da reta final da campanha, a corrupção de políticos em busca de um mandato se intensifica e o trabalho da Justiça Eleitoral aumenta.

O principal termômetro do volume das operações de troca de dinheiro ou favores por votos é o número de denúncias feitas sobre o assunto. A quantidade de denúncias de irregularidades que chegam diariamente ao TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) tem aumentado expressivamente.

Enquanto no período de 24 de julho a 24 de agosto tinham sido feitas 176 denúncias (uma média de 5,6 por dia), no período de 25 de agosto a 19 de setembro foram 210 denúncias – uma média de 8,07 por dia. Já nesta semana, na segunda-feira, foram 16 e ontem foram 30 ligações. Os números, contudo, devem ser relativizados já que a maior parte dos crimes não chega ao conhecimento das autoridades.

E o período crítico começa a partir de agora porque há uma conjunção entre medo de não se eleger, a facilidade de fazer circular dinheiro de origem duvidosa e a perspectiva da impunidade.

“Ninguém compra votos a dois meses da votação, a compra de votos se intensifica neste período que o processo [eleitoral] vai se encerrando porque há candidatos que acabam partindo para tentar garantir a eleição”, explica o juiz Marcelo Raslan, de Campo Grande.

Veterano de 11 eleições, ele admite que a compra de votos ainda funciona e pode ajudar a mudar o curso da expressão das urnas. Normalmente, diz, a compra de votos se realiza sob o disfarce da contratação de cabos eleitorais.

Para o juiz, a legislação em vigor este ano trouxe um avanço na fiscalização dos gastos de campanha, mas deixou aberta a porta para a contratação legal de cabos eleitorais. Um outro fator é a proibição de muitas modalidades de publicidade, como outdoors e distribuição de brindes. “Muito do dinheiro da propaganda pode ser canalizado para a compra de votos”, admite.

Raslan afirma, contudo, que a apreensão de uma lista como nomes e números de títulos de eleitor já permite a prisão em flagrante e indiciamento por compra de votos.

Prática antiga – O sociólogo David Victor Emmanuel Tauro, da UFMS (Universidade Federal de MS), acredita que a compra de votos é uma anomalia própria do sistema político representativo e não parece ser uma exclusividade nacional. “Em todos os lugares onde há voto há compra de voto, há favorecimento indevido, o problema aqui é o ciclo vicioso entre os Poderes que favorece a impunidade”, afirma.

O ciclo, explica o cientista, começa com a elaboração de leis cheias de brechas que dificultem o combate a corrupção. “Como há leis frouxas, um Poder pode jogar sobre o outro a responsabilidade e isso no final acaba refletindo muito na prática política da sociedade”.

Raslan acha que a responsabilidade não está somente nas leis e na maneira como elas são cumpridas. “A compra de votos só floresce onde há ausência de cidadania, o eleitor pode fazer a sua parte e se valorizar dizendo não à compra de votos e não tentando aumentar o preço”, diz.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)