Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

14/03/2004 08:12

Cinema nacional renasce e conquista público

Alessandra Bastos/ABr

Com boas bilheterias e investimentos de grandes estúdios e emissoras de TV, o cinema brasileiro se tornou o novo queridinho do público. Não foi só a Lei Rouanet que bateu recorde. O país nunca produziu tanto. Em 2003, foram 40 filmes. As exibições de filme nacional no circuito interno cresceram 12% em 2003. O novo Conselho de Cinema foi instituído, a participação brasileira nos festivais internacionais e as indicações aos maiores prêmios cinematográficos, - entre eles o Oscar - voltaram a fazer parte da trajetória do cinema brasileiro. Em Brasília, foi realizado o Primeiro Mercado do Filme Brasileiro e o governo prepara um novo projeto para acabar com a discriminação nas telas, intitulado "O Direito à Diferença".

Toda essa movimentação mostra que o cinema nacional está renascendo e passando por uma fase tão brilhante quanto a década de 60, quando os filmes brasileiros eram reconhecidos em festivais internacionais consagrados. Foi nessa época que "O Pagador de Promessas" (1962), de Anselmo Duarte, se tornou o primeiro filme nacional a receber uma indicação ao Oscar de Melhor Filme (1963) e a ganhar a Palma de Ouro no Festival de Cannes, na França, como Melhor Longa-metragem, em 1962. Em 1963, foi a vez de "Vidas Secas", de Nelson Pereira, conquistar a crítica nacional e internacional.

Ainda nos anos 60, o cinema brasileiro se tornaria mundialmente conhecido com um jeito novo para a época de se pensar e trabalhar a imagem. O cineasta Glauber Rocha, impressionou o mundo com "Deus e o Diabo na Terra do Sol" (1964) e "Terra em Transe" (1967). Com o avanço da ditadura militar e da repressão, as questões sociais dividiram a cena com a pornografia - maneira encontrada pelos cineastas para burlar os censores. Era a época da "pornochanchada". Ao contrário da música, que encontrou na ditadura o seu período mais forte em letras, o cinema sofreu um duro golpe, perdeu conteúdo e, com baixa qualidade de som e cores, foi desaparecendo das telas.

Agora, 30 anos depois, os filmes voltam às salas de exibição e os brasileiros novamente se orgulham de sua cultura e de seus cineastas. "O Quatrilho" (1994), de Fábio Barreto, marcou a retomada, que foi coroada em 1998, com "Central do Brasil", de Walter Salles. Assim, a chamada "nova safra" foi chegando, devagarzinho, e recuperando o espaço perdido. A volta se completou com "Cidade de Deus" (2002), de Fernando Meirelles, que obteve quatro indicações ao Oscar - Melhor Diretor, Fotografia, Roteiro Adaptado e Montagem.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)