Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/05/2007 06:18

Celg tem de indenizar por acidente em rede elétrica

TJ/GO

Com voto do desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição, a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) deu parcial provimento à apelação cível interposta pela Companhia Energética de Goiás (Celg) e fixou em R$ 100 mil indenização por danos morais e estéticos a Eduardo Reis dos Santos, que teve amputados membros superiores e inferiores em decorrência de acidente ocorrido com fio de alta tensão quando soltava pipa. Por danos materiais, o colegiado fixou em três salários mínimos mensais ao apelado, por entender que "a apelante pode muito bem arcar com a referida verba e segundo, em consideração de que o acidentado poderia perfeitamente, no futuro, alcançar essa renda. Na decisão unânime, foi reduzida também a verba honorária de 20% para 10% sobre o valor da condenação.

A Justiça de Goiânia havia estabelecido, a título de danos morais e estéticos, o valor de R$ 105.000,00, para cada um deles, tendo o relator observado que " a importância fixada não coaduna com nossa realidade econômica, haja vista as dificuldades financeiras enfrentadas pelos entes públicos, principalmente em concretizar os programas governamentais, em prejuízo á própria população".

Seqüelas

Segundo os autos, à época, o então menor quis resgatar uma pipa presa nos galhos de uma árvore e tocou nos cabos de rede elétrica de alta tensão, que lhe causaram queimaduras, deixando seqüelas. A Celg alegou que a rede elétrica era bem visível no local e encontrava-se em perfeito estado de conservação. Atribuiu a culpa do acidente à vítima e que é da Prefeitura de Goiânia, através da Comurg, a responsabilidade de realizar a poda de árvore, conforme contrato.

Para o relator, ficou claro que os galhos da árvore encontravam-se com a fiação elétrica de forma a permitir o contato do menor. "Assim, não há dúvida de que houve omissão da ré/apelante quanto à segurança necessária no local, pois deixou de efetuar a poda da árvore, como evidencia nos autos". Ponderou que após o acidente a Celg promoveu o corte dos galhos da árvore, de modo a liberar a rede de energia elétrica e garantir sua segurança "o que reforça a idéia de que esse serviço era realmente necessário".

Alan ressaltou que apesar de ter transferido o serviço de poda de árvores a terceiros, a Celg continua com a responsabilidade, pois deveria zelar pelo seu cumprimento e que é notório o nexo da causalidade entre a conduta da empresa, "em não promover a segurança adequada da rede de energia elétrica e o acidente, o que, por si só, configura responsabilidade objetiva da empresa, de acordo com o artigo 37, § 6º, da Constituição Federal".

Ementa

A ementa recebeu a seguinte redação: "Apelação Cível. Ação Indenizatória por Danos Materiais, Morais e Estéticos. Acidente Decorrente de Descarga de Energia Elétrica. Responsabilidade Objetiva. Danos Morais e Estéticos. Possível sua Cumulação. Danos Materiais. Indenização Razoável. Honorários Advocatícios. Redução. 1- Evidenciado o nexo de causalidade entre a conduta omissiva da empresa de energia elétrica e o acidente, ao não promover a segurança adequada da rede de eletricidade, tem-se configurada a responsabilidade objetiva da mesma, conforme insculpida no artigo 37, § 6º, da Constituição Federal. 2- A fixação do quantum atinente ao dano moral e estético deve se pautar pelo caráter compensatório do dano e para tanto é mister coadunar a condenação de forma razoável e proporcional à realidade econômica do agente. 3 - Cabível a cumulação dos danos morais e estéticos, consoante orientação do colendo Superior Tribunal de Justiça. 4 - Ante o quantum da verba indenizatória, apresenta-se exorbitante a verba honorária, que deve ser reduzida. Apelo conhecido e parcialmente provido. "Apelação Cível nº- 100.495-3/188 (200602003223)", publicada no Diário da Justiça em 23 de março de 2007. (Lílian de França)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)