Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/06/2007 13:25

Cassilândia: Veja tópicos do depoimento de Luceni

A servidora municipal Luceni Quintino Correa, tesoureira da Prefeitura de Cassilândia, prestou depoimento ontem ao dr. Silvio C. Prado, juiz de Direito da 2ª Vara de Cassilândia. Veja alguns tópicos:

. trabalha há vinte anos na Prefeitura
. quando chegava as notas às suas mãos, tudo estava pronto. Valdir era quem fazia tudo.
. Ana Regina Arantes trazia os empenhos prontos para o pagamento
. no início os vales eram somente para o prefeito Donizete viajar
. nenhuma reunião foi feita para discutir vales
. percebeu, com o tempo, que havia notas frias, porque Valdir apresentava os números das notas. Não pode precisar se as notas eram quentes ou frias, através dos números apresentados por Valdir
. No setor de compras se fazia o recebimento das notas
. Diego buscava as notas para o Valdir
. Romilda entregava as notas do Supermercado Nevoeiro
. quando as notas eram para cobrir vales, vinham sem requisição.
. a ordem era para queimar todos os vales, dada em reunião com as presenças de todos os secretários, o vice-prefeito e os advogados da prefeitura.
. a partir de seu raciocínio acredita que as pessoas sabiam que tal fato não poderia ser feito
. não teve lucro com o esquema
. não sabe quem efetivamente se beneficiou com o esquema
. sempre recebeu uma ajuda
. nunca viu Valdir pagando ninguém
. estava desesperada e pediu ajuda aos drs. Alcides e Ademir, ao Tião da Marieta e ao Donizete
. Paulo Mariano disse no dia em que foi presa para falar toda a verdade
. não recebeu ameaças e não foi constrangida na Polícia Civil
. dos vales sabia que havia dinheiro para vereadores, mas não sabe quais.
. desconhece a emissão de notas fiscais, tendo em cada via, valores diferentes
. em sua evolução patrimonial não tem nada ilícito
. trocava cheques com juros de 2% a 2,5%, desde 1997
. Orange e Jorge trocavam cheques
. nunca presenciou Ana Regina Arantes recebendo dinheiro do esquema
. Tião da Marieta e Valdir recebiam valores em vales
. nunca utilizou dinheiro do caixa da prefeitura para agiotar
. Valdir e o prefeito Donizete eram as peças chaves
. quando precisava de dinheiro e não tinha vale, emitia cheque da prefeitura e descontava
. Ana determinou que Luceni descontasse cheque de R$ 9 mil e guardasse no cofre. Valdir pegou depois o dinheiro
. Waldir disse a ela que estava deixando R$ 2 mil para a Ana e no outro dia mais R$ 1,5 mil
. na administração anterior o pagamento vinha nos holerites
. legalmente, as notas quentes são compras com requisições

O que foi publicado ontem no Cassilândianews:
Cassilândia: Luceni revela reunião para queimar papéis
Segunda-feira, 04 de Junho de 2007 17:55

Luceni Quintino está sendo ouvida, neste momento, pelo juiz de Direito, dr. Silvio C. Prado. Ela disse que ouviu existir dívida de campanha no valor de R$ 80 mil para um cidadão conhecido como "Pintado". Quando notou que o "esquema" estava aumentando passou a guardar os vales em casa.

Ela disse que um dia após a primeira busca e apreensão feita pelo Ministério Público, na Prefeitura, foi feita uma reunião com todos os secretários, o vice-prefeito e os advogados da prefeitura, decidindo pela queima dos vales. Ela queimou alguns e outros não. O prefeito estava em Brasilia e foi comunicado, por telefone, o que estava acontecendo pelo advogado Ademir Cruvinel.

Sobre o pagamento aos vereadores, que não citou nomes, disse que às vezes era mensal e outras, três vezes por mês. Sobre um pagamento de R$ 10 mil, que seria repassado a vereadores, estavam Baltazar e Silvonei. Naquele dia, segundo ela, foi repassado R$ 1 mil para Silvoney e o restante foi entregue ao secretário de Finanças, Valdir Moreira.

Luceni disse que é funcionária pública municipal há 20 anos e trabalha na função de tesoureira há cerca de seis anos e meio. Ela afirmou que desde 1997 desconta cheques, mas que não utiliza dinheiro da prefeitura. Declarou também que chegou a receber gratificações de R$ 2 mil, R$ 3 mil e até de R$ 5 mil, a partir de 2005, mas não gastou esse dinheiro.

A orientação, segundo ela, era de que as notas frias não ultrapassassem R$ 8 mil, valor que dispensa liciitação.

(Informações, direto do Fórum de Cassilândia, do repórter da Rádio Patriarca, João Pamplona)

Cassilândia: Luceni conta sobre a origem do dinheiro
Segunda-feira, 04 de Junho de 2007 18:56

Luceni Quintino Correa continua depondo no salão do Tribunal do Juri, no Fórum de Cassilândia, ao dr. Silvio Prado, juiz de Direito da 2ª Vara.
Sobre o dinheiro apreendido em sua residência, mais de R$ 500 mil, em cheques e dinheiro, disse que R$ 9 mil era paga o pagamento de custas de um inventário da sua família; parte é economia e também dinheiro que recebeu de gratificação da Prefeitura e que não usou; também a outra parte é de uma loja de motos , que faz venda parceladas.

O que já foi publicado hoje pelo Cassilândianews, sobre o depoimento de Luceni:

Luceni Quintino está sendo ouvida, neste momento, pelo juiz de Direito, dr. Silvio C. Prado. Ela disse que ouviu existir dívida de campanha no valor de R$ 80 mil para um cidadão conhecido como "Pintado". Quando notou que o "esquema" estava aumentando passou a guardar os vales em casa.

Ela disse que um dia após a primeira busca e apreensão feita pelo Ministério Público, na Prefeitura, foi feita uma reunião com todos os secretários, o vice-prefeito e os advogados da prefeitura, decidindo pela queima dos vales. Ela queimou alguns e outros não. O prefeito estava em Brasilia e foi comunicado, por telefone, o que estava acontecendo pelo advogado Ademir Cruvinel.

Sobre o pagamento aos vereadores, que não citou nomes, disse que às vezes era mensal e outras, três vezes por mês. Sobre um pagamento de R$ 10 mil, que seria repassado a vereadores, estavam Baltazar e Silvonei. Naquele dia, segundo ela, foi repassado R$ 1 mil para Silvoney e o restante foi entregue ao secretário de Finanças, Valdir Moreira.

Luceni disse que é funcionária pública municipal há 20 anos e trabalha na função de tesoureira há cerca de seis anos e meio. Ela afirmou que desde 1997 desconta cheques, mas que não utiliza dinheiro da prefeitura. Declarou também que chegou a receber gratificações de R$ 2 mil, R$ 3 mil e até de R$ 5 mil, a partir de 2005, mas não gastou esse dinheiro.

A orientação, segundo ela, era de que as notas frias não ultrapassassem R$ 8 mil, valor que dispensa liciitação.

(Informações, direto do Fórum de Cassilândia, do repórter da Rádio Patriarca, João Pamplona)


Cassilândia: Azambuja explica a origem do seu patrimonio
Segunda-feira, 04 de Junho de 2007 19:43

Eugênio Luiz Azambuja acabou de ser ouvido pelo dr. Silvio C. Prado. Ele é marido da tesoureira da prefeitura Luceni Quintino Correa.

Negou que empresta dinheiro a juros, mas que possui um limite de crédito em dois bancos, no valor total de R$ 320 mil e empresta a alguns amigos de Inocência, mas não ganha nada com isso. Citou diversos nomes.

Os cheques apreendidos com Luceni, segundo ele, tem como origem seus negócios na loja de motos e na pecuária. Somente em 2006, disse, a loja vendeu 120 motos. Não sabia que Luceni praticava agiotagem em Cassilândia.

Revelou ter R$ 600 mil de patrimônio e que teve um problema com a justiça, deixando a prisão em 1998.
O seu patrimônio, segundo ele, teve início com um empréstimo de R$ 100 mil, feito por Luceni, aplicando em um hotel em Inocência.
(Informações, direto do Fórum de Cassilândia, do repórter da Rádio Patriarca, João Pamplona)




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)