Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/05/2011 18:00

Cassilândia: Polícia investiga denúncia de trabalho escravo

Uma fazenda, na região da Vaca Parida, no município de Cassilândia (MS, foi inspecionada ontem (18) pela Polícia Civil, Vara do Trabalho, Ministério do Trabalho e Ministério Público do Trabalho. O motivo foi uma denúncia de trabalho escravo.

O delegado Rodrigo de Freitas disse que trabalhou durante todo o dia de ontem e hoje, para concluir o inquérito e fazer a remessa para o Judiciário. Caso fique constatado o trabalho escravo, a Polícia Federal será acionada, contou em entrevista à Rádio Patriarca.

Preferiu, por enquanto, não revelar o nome do empreiteiro, nem mesmo do proprietário da fazenda.

O juiz da Vara do Trabalho, Luis Divino, também disse em entrevista, que houve necessidade da sua presença no local, devido a gravidade do caso.

Contou que no dia 13 de maio, recebeu dois trabalhadores dizendo que estavam trabalhando, numa determinada fazenda, no cultivo de eucalipto, e que não receberam os seus salários. Segundo os denunciantes informaram o juiz, o empregador não fazia o pagamento dos salários e como são do Maranhão, não tinham condições de retornarem à origem.

Eles disseram ao magistrado que vieram a pé da Vaca Parida a Cassilândia, um trecho de aproximadamente 80 quilômetros. Saíram em seis e no caminho, alguns desistiram.

\"Estavam com dois dias sem alimentação e repouso adequado\", disse o juiz. A primeira providência foi arrumar um local para ficarem. Eles estão no Lar dos Idosos São Francisco de Assis.

Tomou-se a decisão de fazer a diligência em conjunto, com a Vara do Trabalho, Ministério do Trabalho, Ministério Público do Trabalho e Polícia Civil.

“Lá encontramos uma situação muito grave, de abandono total. Catorze trabalhadores ainda atuando, não tinham recebido o salário do mês de abril. Alguns relataram situação inadequada quanto a alimentação, com a situação deprimente, principalmente com relação ao alojamento, inabitável. É inaceitável um ser humano ficar naquele local. Melhor preparado, talvez abrigasse 3 a 4 pessoas. Lá estavam 14\", contou.

Os trabalhadores foram conduzidos para Cassilândia, ouvidos pelo Delegado e o proprietário da terra, porque o empreiteiro não demonstrou condição financeira e estava na Justiça do Trabalho fazendo os pagamentos a todos os empregados.

E isso ocorre, porque segundo o juiz Luis Divino, o proprietário da fazenda é o responsável. Quando o dono da fazenda terceriza a atividade, ele responde por isto. Cabe a ele terceirizar para quem está habilitado para tal, inclusive economicamente, suportar a atividade.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)