Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

26/06/2007 07:06

Caso Asmego: réu tenta inocentar irmão e cunhado

TJGO

Interrogado ontem (25) pelo juiz-substituto Luís Flávio Cunha Navarro, em atuação na 9ª Vara Criminal de Goiânia, o gerente de serviços Rodrigo Prado de Oliveira, tentou por várias vezes inocentar seu irmão, o bacharel em Direito Régis Prado de Oliveira; e seu cunhado, o gestor de agronegócios Marco Valério Caetano de Oliveira, da acusação de terem participado com ele do desfalque de R$ 2,4 milhões nas contas da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego). "Ninguém sabia de nada", garantiu.

Rodrigo explicou que comprava e vendia carros desde os 18 anos, razão pela qual sua família não desconfiou de nada quando passou a transitar com os veículos de luxo que comprava com dinheiro da Asmego. Segundo ele, amigos e parentes também nunca ficaram sabendo dos imóveis que havia adquirido com os furtos. "Quando fui entrevistado na delegacia, eu disse que havia enganado a família dizendo que aquilo era dinheiro de venda de sentenças e de fraude em licitações porque foi a primeira coisa que me veio à cabeça. Estava assustado com aquele tanto de luzes, câmeras e microfones", explicou.

Segundo ele, Régis, que foi denunciado como comparsa por ter emprestado sua conta-corrente para as transações financeiras de Rodrigo, não sabia de nada. Rodrigo esclareceu que o irmão havia terminado a faculdade e tinha uma conta universitária no Banco do Brasil. "Ele se formou e abriu conta em outro banco. Fiquei sabendo que ele iria fechar a antiga conta universitária e então pedi para que me emprestasse, alegando que estava com o nome sujo e precisava de uma conta e cheques assinados. Eles fez isso por mim", garantiu, acrescentando que ao ser questionado pela gerência do banco sobre o grande volume de dinheiro transacionado, Régis procurou Rodrigo. Na ocasião, segundo afirma, disse ao irmão que era dinheiro proveniente da compra e venda de carros, mas tempos depois alguns cheques começaram a voltar por falta de fundos, ocasião em que Régis fechou a conta.

Com relação a Marco Valério, o gerente de serviços disse que o nome dele somente foi incluído na denúncia porque o cunhado é proprietário de uma concessionária e conhecia muitas oficinas mecânicas que prestavam serviços de qualidade. "Alguns carros que comprei tinham alguns defeitos e como o Marco Valério conhecia bons mecânicos, eu depositava o valor cobrado pelos consertos diretamente na conta dele", comentou. Também estavam previstos para hoje os interrogatórios de Marco Valério - que embora tenha comparecido, teve a audiência adiada - e de Régis, que, alegando transtornos psicológicos decorrentes do escândalo, apresentou atestado médico pedindo nova data para ser interrogado.

Ainda em seu interrogatório, Rodrigo assumiu o crime mas disse que, pelas suas contas, chegou a furtar cerca de R$ 1, 7 milhão, e não R$ 2,7 milhões, como sustenta o MP. Ele falou que, com o dinheiro, comprou veículos, imóveis e chegava a gastar R$ 4,8 mil em casas noturnas. "Eu não imaginei que as coisas terminariam assim. E pensei que quando descobrissem, conseguiria resolver tudo internamente", comentou. (Patrícia Papini)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)