Cassilândia, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

16/02/2009 18:13

Candidato poderá ser inelegível se condenado em primeira

Agência Câmara

No pacote de reforma política sugerido ao Congresso na semana passada, o Executivo apresentou projeto de lei complementar (PLP 446/09) para tornar inelegíveis candidatos condenados em decisão colegiada ou em decisão de primeira instância transitada em julgado. A legislação atual (Lei Complementar 64/90) só considera inelegíveis os candidatos com condenações transitadas em julgado em última instância, ou seja, depois que forem esgotadas todas as possibilidades de o acusado recorrer da decisão.

A alteração será válida para os candidatos que tenham representação julgada procedente pela Justiça Eleitoral em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, para a eleição na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos três anos seguintes.

Também valerá para os que forem condenados criminalmente pela prática de crimes contra a economia popular, a fé pública, a administração pública, o patrimônio público, o mercado financeiro, pelo tráfico de entorpecentes e por crimes eleitorais, pelo prazo de três anos após o cumprimento da pena. E para os detentores de cargo na administração pública direta, indireta ou fundacional que beneficiarem a si ou a terceiros, pelo abuso do poder econômico ou político apurado em processo, a inelegibilidade será para as eleições que forem realizadas nos três anos seguintes ao término de seu mandato ou do período de sua permanência no cargo.

Ficha suja
O ministro da Justiça, Tarso Genro, lembra que a questão da chamada "ficha suja" dos candidatos a cargos eletivos dominou os debates nas últimas eleições.

A Constituição prevê a necessidade de considerar a vida pregressa do candidato a fim de proteger a probidade administrativa e a moralidade para o exercício do mandato. Na visão do ministro, ao referir-se à 'vida pregressa', a Constituição não quis tratar dos casos de condenação transitada em julgado, como estabelece hoje a lei complementar.

"Se assim fosse, o texto constitucional se valeria de referência expressa ao termo, como ocorre no artigo 15, onde é vedada a cassação de direito políticos, cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de condenação criminal transitada em julgado", sustenta Genro.

Para o ministro, o conceito de vida pregressa constitucionalmente previsto difere da condenação penal transitada em julgado. "O princípio constitucional da presunção de inocência se restringe à esfera penal, não sendo aplicado, consequentemente, ao âmbito eleitoral."

Tramitação
O presidente da Câmara vai definir a tramitação do projeto.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)