Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/03/2008 09:16

Artigo do professor Rogerio Tenorio de Moura

Rogerio Tenorio de Moura

CIDADANIA E LINGUAGEM, DOIS LADOS DE UMA MESMA MOEDA.

Por termos por língua-mãe uma das línguas mais faladas no mundo imaginamos a todas como uma espécie de instituição inabalável, porém a verdade é que a maioria das línguas não chega nem aos 300 anos de idade e com a globalização da economia e a informatização o ritmo da economia mundial cobra maior agilidade nas relações de comunicação, portanto é natural que uma língua sobreponha-se a outras de menor prestígio (por questões meramente econômicas) e até que línguas faladas por grupos reduzidos de falantes desapareçam, de agora em diante, em uma proporção muito mais rápida que o comum. Ensinar língua estrangeira na escola, em especial a inglesa, é uma questão de cidadania, de garantir ao indivíduo o direito inalienável de liberdade, igualdade e fraternidade em relação aos indivíduos de demais partes do globo.
Bill Gates, presidente da Microsoft, maior produtora mundial de software para computadores pessoais, é quem afirma em resposta à carta a ele enviada e publicada sob a tradução de Clara Allain no Caderno de Informática do jornal Folha de São Paulo do dia 16 de julho de 1997:

“ Como a Internet faz do mundo um lugar menor, a importância de existir uma língua comum aumenta muito. Assim, aumenta a importância do inglês enquanto segunda língua. Mas não prevejo que o inglês vá tomar o lugar de alguma das línguas mais importantes de hoje, nem mesmo diminuir seu uso. Em suma, a tecnologia atual da informática não tem favoritos, em termos de línguas - embora as pessoas e as empresas publiquem muito mais software e conteúdo eletrônico em algumas línguas do que em outras. Como a internet cresceu nos Estados Unidos, a porcentagem de seu conteúdo apresentado em inglês é muito alta. Se você não souber inglês...”

O início da invasão cultural norte-americana no Brasil deu-se no início da década de 40, durante a segunda guerra mundial; as agências de notícias United Press e Associated Press passaram a difundir notícias favoráveis aos Estados Unidos no Brasil, assim como notícias sobre a América Latina para a imprensa dos Estados Unidos. Tudo sendo realizado através de negociações promovidas pelo birô que também não poupou esforços para afastar agências de notícias alemãs e italianas promovendo um verdadeiro american way life em nosso país, afastando assim o risco de perderem o nosso mercado para países do “eixo do mal”, como era conhecida a aliança nazi-fascista.
Foi parte das atividades do birô patrocinar tournées de astros e estrelas de Hollywood à América Latina e de artistas latino-americanos aos Estados Unidos. No caso de artistas brasileiros alguns foram e acabaram ficando, como Carmen Miranda. Ari Barroso, na época, foi contratado para escrever um filme para a “ Pequena Notável” . “ Na mesma linha de colaboração, o birô procurou descobrir talentos latino-americanos para filmar nos Estados Unidos e estimulou o aumento de empresas cinematográficas americanas na América Latina.” (Moura,1993, pág. 38).
Os documentários também foram alvos da ação de seção de filmes do birô. A priori, eles deveriam cobrir aspectos naturais, sociais, científicos e técnicos dos Estados Unidos e da América Latina. Porém, o que houve foi uma exibição evidente de filmes que acentuavam a superioridade da civilização norte-americana à alemã, o manancial bélico norte-americano e sua produção de armas modernas. Enquanto que os filmes sobre a América Latina a serem exibidos nos Estados Unidos tratavam de assuntos históricos, viagens e vida corrente.
Embora houvesse uma proposta igualitária de intercâmbio entre Estados Unidos e América Latina, baseadas em troca de experiência e de especialistas não foi o que se sucedeu. O número de americanos que vieram ao Brasil durante a guerra era infinitamente superior aos brasileiros que iam aos Estados Unidos.
Na verdade, o que acontecia era um intercâmbio favorável somente aos Estados Unidos, pois os especialistas que vinham ao Brasil eram para ensinar suas técnicas e exibir suas realizações, e os brasileiros que para lá iam era para aprender e retornar com sentimentos de amizade e de boa vontade para com eles.
Cabe ao educador conscientizar seus educandos das diferenças lingüísticas e culturais dos vários povos, sejam eles estrangeiros ou não, compreendendo o fato de que a diversidade não faz de ninguém melhor ou pior que os outros, apenas diferentes, enriquecendo, assim, toda a coletividade com uma enorme gama de cultura proveniente de outras civilizações.
Não podemos, entretanto, nos abrir pacificamente a todo tipo de intervenção sem questionar as intenções subjacentes ao processo, podemos e devemos ampliar nosso horizonte cultural estudando as diversas formas de vida social humana, porém não da forma ingênua e cheia de boa vontade dos indígenas que aqui habitavam quando da chegada dos portugueses.
Os administradores escolares, professores, pensadores da educação devem entender que o ensino de Língua Estrangeira Moderna não é apenas mais uma disciplina no currículo escolar, muito menos pode continuar sendo o que é atualmente, mero preenchimento de grade escolar, inclusive nas universidades.
Dominar uma segunda língua ou até terceira é um direito do indivíduo enquanto cidadão, é estar inserido no mundo como um todo, dentro de um contexto global do qual não há como fugir. Garantir, efetivamente, o aprendizado de Línguas Estrangeiras Modernas na escola é garantir ao indivíduo o direito de ter seu crescimento pessoal e profissional ilimitado, livre de fronteiras e preconceitos.

Rogério Tenório de Moura
é licenciado em Letras pela UEMS,
especialista em Didática Geral
e em Psicopedagogia pelas FIC.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MOURA, G.. A penetração cultural americana. São Paulo, Editora Brasiliense, 1993

Folha de São Paulo do dia 16 de julho de 1997

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)