Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/10/2008 18:16

Adolescente recorre à Justiça para mudar nome complicado

Ângela Kempfer, Campo Grande News

Um nome pra lá de complicado virou motivo de ação no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. O TJ foi acionado para mudar o registro civil de Wonarllevyston Garlan Marllon Branddon Bruno Paullynelly Mell, de 13 anos. Todos são nomes, o sobrenome foi omitido por se tratar de menor de idade.

O caso é de 2007, mas foi revelado agora, como exemplo a naão ser seguido. Em audiência, a mãe, Dalvina Xuxa, admitiu ao juiz Fernando Paes de Campos, da 5ª Vara de Fazenda e Registros Públicos, ter exagerado, mas explicou que a composição foi fruto de diversas sugestões.

Na avaliação do juiz, “a mãe tentou enfeitar e sofisticar o nome, mas acabou caracterizando um capricho que achou espaço na negligência do oficial de registro”, informa via assessoria do TJ. A autorização para a mudança foi concedida e o menino preservou apenas o primeiro nome: Wonarllevyston.

Muitos outros pais conseguiram garantir a extravagância nos cartórios de Mato Grosso do Sul. Levantamento feito pelo TJ revela até que ponto a criatividade dos pais pode chegar, afoitos por colocar nomes diferentes nos filhos. A relação de pedidos para alteração de registro, na maioria dos casos tem como argumento as chacotas.

Na lista das Varas de Fazenda e Registros, aparecem nomes como Altezevelte, Alucinética Honorata, Claysikelle, Frankstefferson, Hedinerge, Hezenclever, Hollylle, Hugney, Khristofer Willian, Maxwelbe, Maxwelson, Mell Kimberly, Necephora Izidoria, Starley, Uallas, Udieslley, Ulisflávio, Venério, Walex Darwin, Wallyston, Waterloo, Wildscley, Wochton, Wolfson, Yonahan Henderson, Locrete.

Hoje, nas Varas de Fazenda e Registros Públicos de Campo Grande tramitam em média entre seis e 10 processos de retificação de registro civil por mês. Um dos casos citados é de um dentista com nome feminino que reebia correspondências com o tratamento de doutora.

A assessoria do TJ relata até o exemplo de uma mulher que pedia para retirar o sobrenome do marido por sentir “vibrações negativas”.

Lei federal proíbe cartórios de registrarem nomes considerados esdrúxulos ou vexatórios. Os pais que insistem também costumam acionar a Justiça para garantir o registro. (Com informações da assessoria do TJ)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)