Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

03/06/2011 05:23

Ações de reconhecimento de paternidade derrubadas por falta de provas poderão ser reabertas

Débora Zampier, Agência Brasil

Brasília – Ações de reconhecimento de paternidade que foram derrubadas por falta de provas, especialmente quando o suposto filho não tinha condições de pagar por um exame de DNA para comprovar o fato, poderão ser reabertas. É o que definiu ontem (2) o Supremo Tribunal Federal (STF) ao julgar um caso que tinha repercussão geral, ou seja, que deverá produzir efeitos em todos os processos semelhantes que tramitam em instâncias inferiores.

A Corte analisou o recurso de um homem do Distrito Federal que pretendia reabrir uma ação de investigação de paternidade de 1989, julgada improcedente por insuficiência de provas. Na época, a mãe não tinha condições de custear o exame de DNA, o que foi definitivo para o cancelamento da ação.

Uma lei distrital de 1996 determinou que o exame de DNA deve ser pago pelo estado quando o requerente não tem dinheiro para custeá-lo, o que motivou o pedido de reabertura do processo. O pedido de reabertura foi negado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e veio parar no STF em 2002. Desde então, passou por três relatores e só começou a ser julgado este ano.

O julgamento de hoje foi retomado com o voto do ministro Luiz Fux, que havia pedido vista no primeiro dia de julgamento. Já havia votado o relator Antonio Dias Toffoli, para quem o processo de investigação de paternidade deveria ser reaberto. Votaram com ele seis ministros.

Para Ayres Britto, o direito à identidade genealógica supera o direito constitucional à coisa julgada. “A Constituição consagra valores que se consagram sobre outros direitos fundamentais. O direito à identidade genealógica, o direito a reconstituir laços de família, reconstituir o elo perdido, me parece que esse direito é superlativo, de primeiríssima grandeza”, afirmou o ministro.

Ao falar sobre o direito à coisa julgada, Ayres Britto comentou o ponto que motivou os únicos votos contrários. Para Marco Aurélio Mello e Cezar Peluso, nada pode desfazer a coisa julgada. “Não é apenas a dignidade do autor que está em jogo no processo, mas da parte contrária, que 20 anos depois não pode estar sujeita a essa indefinição. Tenho respeito quase absoluto à coisa julgada”, disse Peluso.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)